Procurador da República lança livro na região nesta terça-feira, em evento virtual organizado pelos movimentos sociais

0

VOLTA REDONDA

Será lançado de forma virtual nesta terça-feira, dia 29, às 19 horas, o livro ‘Ministério Público e Movimentos Sociais: encontros e desencontros’, de autoria do procurador da República Julio José Araújo Junior. O evento está sendo organizado pelo Observatório dos Direitos Humanos da Região Sul Fluminense, em parceria com diferentes segmentos e movimentos sociais, que apresentarão relatos de demandas que foram acolhidas pelo Ministério Público Federal (MPF) durante o período em que Araújo atuou em Volta Redonda e região, entre 2014 e 2017.

A transmissão do lançamento será através do canal do Youtube do Observatório dos Direitos Humanos do Sul Fluminensepelo link https://www.youtube.com/watch?v=yRQo4AC1tzk, com acesso livre. Temas emblemáticos, frutos de articulações e lutas de necessária reparação e de conquistas, presentes na narrativa do livro, serão abordados tanto pelo procurador como pelos personagens envolvidos. Estão também na pauta. do evento assuntos  diversos como Quilombolas, luta pela moradia, reparações históricas da ditadura, questões socioambientais. Além ainda do direito de resposta em rádio com foco nos direitos humanos e opressões de gênero, entre outros. A professora Alejandra Esteves, da Universidade Federal Fluminense (UFF), mediará o evento.

EXPECTATIVA

O procurador destacou que está na expectativa.  “Estou na expectativa de que seja um evento produtivo e essencialmente crítico, não só em relação à conjuntura que vivemos, mas também quanto à atuação do Ministério Público”, declarou o Procurador Julio.

Segundo o procurador, a obra reúne artigos escritos nos últimos anos a respeito do funcionamento do Ministério Público, com enfoques variados, que refletem as atribuições desenvolvidas na época ou as aflições de ocasião. “Refletir sobre o papel do Ministério Público na promoção de direitos fundamentais é uma das minhas preocupações. Afinal, de que forma povos indígenas e quilombolas, a população negra, os trabalhadores sem-terra e sem teto, as mulheres, a população LGBTQI+ e todos aqueles que se encontram em situação de flagrante inferioridade na garantia de direitos e na representação política poderão ter no Ministério Público um verdadeiro parceiro e aliado?”  Questionou Araújo.

O procurador esclareceu que o livro traz um trabalho que elaborou na especialização do Instituto de Estudos Sociais e Políticos da UERJ sobre a relação do Ministério Público com movimentos sociais. O livro, segundo ele, reúne diversos artigos que escrevi ao longo desses anos no MPF, com abordagens sobre o Amazonas, Volta Redonda, Baixada Fluminense e sobre os rumos da instituição. “A nova ponte Dom Waldyr Calheiros, Niterói- Aterrado, e a reparação simbólica de um passado violento em Volta Redonda, além dos movimentos sociais contra a privatização da memória em Volta Redonda, articulados pela Comissão da Verdade, fazem parte de dois textos do livro”, finalizou o procurador.