Comércio projeta lucro de até 30% com vendas de ‘Cosme e Damião’

0

SUL FLUMINENSE

No dia 27 de setembro é comemorado o Dia de São Cosme e Damião. A distribuição de balas e doces para as crianças é um hábito que muito se segue desde as gerações passadas. Isso faz com que as vendas em lojas de atacado de doces aumentem no mês de setembro. E faltando uma semana apenas para as comemorações, o movimento nesses estabelecimentos já é diferenciado.

Em Volta Redonda, as vendas para a data já começaram, atentos a essa demanda, as lojas de doces se concentram em trazer novidades para a comemoração. A expectativa é de que as vendas aumentem 25% neste ano. É o caso que acontece com uma loja no mercado há mais de 12 anos.  “Os pedidos de balas, doces e produtos típicos desta data já se iniciam com a chegada de julho, já mandamos demandas de pipocas e balas para as indústrias que já se preparam para o volume maior que é gerado com a chegada de setembro”, disse o proprietário, Filipe Alves.

Em Volta Redonda as lojas estão prontas para as vendas de São Cosme e Damião – Foto: Tânia Cruz

VENDAS COSTUMAM SE ESTENDER

As vendas, neste período, costumam se estender até o Dia das Crianças. Segundo os empresários, os produtos destinados à data são bastante específicos, por isso, muitas indústrias têm a sua produção exclusivamente voltada para este tipo de mercadoria. “Alguns itens tem uma saída específica nestas datas, doces mais tradicionais como doces de abóbora, cocadas e maria mole, além da pipoca arrozinho que são itens que aceleram as vendas nesta época, fora isso tem os demais itens que já são itens vendidos normalmente durante todo ano, tais como balas, chicletes e pirulitos”, falou Filipe. Por isso a atenção maior na hora de comprar os itens que são mais procurados nestas datas.

Os doces costumam ser menores mais fáceis de manusear e que caibam nos tradicionais saquinhos de papel.  Portanto, aqueles que ainda mantêm a tradição de distribuir doces, seja no São Cosme e Damião ou no Dia das Crianças, poderão encontrar boas opções no comércio de Volta Redonda. “O Cosme e Damião já há algum tempo, não tem sido uma data tão tradicional quanto já foi há algum tempo. Acredito que há algumas tradições que estão sendo perdidas com a nova geração e a perda dos antigos costumes, porém ainda assim temos uma demanda diferenciada nos dias que antecedem o dia 27 de setembro e mesmo com uma grande queda do número de pessoas comemorando a data os dias de preparação representam um aumento de vendas de cerca de 30% dos doces e balas” completou Filipe.

O comércio está aquecido para o dia de oferta de doces – Foto: Idelfonso Pinheiro

COMÉRCIO AQUECIDO EM RESENDE

Na prática, a distribuição de doces começa antecipada, pois o Vaticano celebra São Cosme e Damião oficialmente no dia 26, deixando o dia 27 à memória de São Vicente de Paulo. No Brasil, muitos fiéis mantêm o dia 27 como data célebre para o gesto fraterno de fé para as ofertas por promessas aos santos, fazendo crescer as vendas de doces e guloseimas. Inúmeras famílias praticam a distribuição dos saquinhos de doces e brinquedos, fazendo crescer o lucro nas lojas especializadas e supermercados.

Em Resende, os itens mais vendidos são aqueles de tamanho compatível para preencher o pequeno saco de papel onde são distribuídos para a população: pirulitos, balas, doces, chicletes e pequenos brinquedos como apitos, bolas infláveis e língua de sogra. A expectativa é que as vendas subam até 30%. “O Dia de Cosme e Damião realmente é a nossa principal data, pois vendemos um pouco de tudo, principalmente balas e doces. Comparando com 2018, espero lucro de 20% a 30%. Saem bastante os sacos de balas, pirulitos e pequenos doces mistos, como cocada, bananada, geleias e doce de abóbora. Cada cliente tem um estilo de montar e distribuir seus doces”, argumenta a gerente de uma doçaria, Maria Isabel da Silva.

 

ATENÇÃO AOS PREÇOS

O consumidor deve ficar atento aos valores dos produtos. Comprar pelo atacado é mais vantajoso, porém, a dificuldade em variedades faz o cliente pegar pequenas quantidades dos itens que deseja. “Comprei embalagens de 50 unidades de geleia e pretendo dividir ao meio fazendo dobrar. Este ano está tudo mais caro, uma embalagem com 50 suspiros por R$ 25. Um saco de bala de amendoim, com 100 unidades, por R$ 5,90. Espero gastar uns R$ 500 e distribuir o máximo de doces possível, lembro que ano passado fiz 300 pacotes”, comenta a dona de casa Dalila Costa.

A enfermeira Maria Lúcia Cunha mantém o gesto de distribuir doces desde 1990, quando teve um filho e atribuiu a cura dele diante de problemas respiratórios à promessas aos santos. “Mantenho a tradição, hoje meu filho sendo adulto, pai e praticamente casado. Tenho um neto, e vou incentivar que ele e minha nora também pratiquem o ato de doação de doces pela saúde das crianças”, comenta.

HISTÓRIA DOS SANTOS

Segundo a história, Cosme e Damião, cujos nomes reais seriam Acta e Passio, seriam médicos que viveram há 300 anos depois de Cristo, na Arábia e Egéia. O nome Cosme significa “O Enfeitado” e Damião, “O Popular. Eles praticavam medicina voluntária, curavam crianças e na ação incitavam o nome de Jesus Cristo. Os santos foram martirizados na Síria, tiveram os restos mortais levados por fiéis para a Itália, onde permanecem sepultados na Basílica no Fórum de Roma.

São Cosme e Damião na Igreja Católica e os Ibejis, na Umbanda – Foto: Reprodução

O dia de São Cosme e Damião é celebrado pelos católicos e praticantes de Candomblé, Batuque, Xangô do Nordeste, Xambá e pelos centros de Umbanda onde são associados aos ibejis – gêmeos amigos das crianças que teriam a capacidade de agilizar qualquer pedido que lhes fosse feito, em troca de doces e guloseimas.

Uma das histórias consideradas lendas e que envolvem os santos justificaria também a relação com os doces: Acta e Passio seriam príncipes gêmeos que transmitiam sorte ao povo. Em troca da resolução de problemas, pediam doces e brinquedos.

Deixe uma resposta

error: Conteúdo protegido !