Prefeitura de Volta Redonda tenta normalizar escala de plantão no  Hospital do Retiro

0

VOLTA REDONDA

Depois das queixas dos médicos do Hospital Municipal Munir Rafful (HMMR), no Retiro, pelo atraso dos salários e falta de insumos para desenvolver suas atividades, a Prefeitura de Volta Redonda, através da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), está atuando na transição da gestão do hospital, que era feita por uma Organização Social (OS) até o último dia 30. O prefeito  Samuca Silva esteve na unidade hospitalar, na tarde de quarta-feira, dia 2, para acelerar a transição e garantir a chegada de insumos e materiais. No início da tarde, o hospital recebeu medicamentos e  insumos que a antiga gestão da unidade não repôs nos últimos dias de contrato.
A SMS está atuando para normalizar a escala de plantão na unidade, tendo em vista a saída de médicos que não receberam seus vencimentos por parte da organização social. A Secretaria de Saúde, em  reunião com representantes dos médicos, informou que todos os recursos
que deveriam ser repassados a O.S. foram feitos. “Estamos buscando meios jurídicos para garantir os pagamentos desses  profissionais médicos. Os demais funcionários do hospital, técnicos de enfermagem, enfermeiros e outros, receberam seus vencimentos. Apesar de alguns desfalques nas escalas, a unidade segue funcionando”, informou a secretária de saúde, Flávia Lipke.

HOSPITAL VOLTA A SER ADMINISTRADO PELO MUNICÍPIO
O procurador geral do município, Augusto Nogueira, disse que a unidade passou a ser novamente administrada pelo município após o fim do contrato da O.S. “A prefeitura assumiu dia 1º de dezembro e foi prejudicada na transição, já que não foi autorizada a entrada de funcionários da prefeitura durante período que  o prefeito tomou a decisão de rescindir o contrato. Agora é uma fase inicial e quero garantir que estamos adotando medidas jurídicas para preservar o direito dos trabalhadores”, explicou o procurador.
A Rede Municipal de Saúde de Volta Redonda conta com, além do Hospital Municipal Munir Rafful, outras quatro unidades de atendimento de urgência e emergência, o  Hospital São João Batista (HSJB), Hospital do Aterrado (antigo Cais),  Cais Conforto e a UPA do Santo Agostinho. A garantia da SMS é que as unidades  estão atendendo normalmente. “Nesse período de transição estamos buscando completar a escala médica do Hospital do Retiro, inclusive contratando novos médicos de forma temporária. Todos os pacientes que estão internados estão sendo  assistidos da mesma forma. E a unidade está com estoque de insumos e
medicamentos completos”, concluiu a secretária.

 

 

 

error: Conteúdo protegido !