Pais de estudantes se queixam das condições de passarela provisória no Centro de Barra Mansa

0

Secretaria de Estado de Infraestrutura e Obras acionará a empresa para verificar e melhorar as condições de segurança; pais reclamam que estrutura balança  

BARRA MANSA

A ponte Vereadora Ruth Coutinho está em obras. Ela fica na Rua Argemiro de Paula Coutinho, Centro, e dá acesso a Escola Firjan Sesi e ao Fórum. E uma passarela provisória foi construída para que os pedestres possam fazer a travessia. O problema é a preocupação que tem causado em pais e estudantes da escola particular. Ela balança muito e falta espaço para passar devido ao fluxo de pessoas que dividem um espaço de cerca de um metro. O chão é feito de tábuas.

A passarela provisória foi construída pelo Governo do Estado, responsável também pela reconstrução da Ponte Vereadora Ruth Coutinho. A obra foi necessária, já que grande parte de sua base ficou comprometida com cheias do Rio Barra Mansa desde o ano de 2019. As obras começaram neste ano e desde a semana passada a parte de demolição da ponte foi iniciada sendo necessária a colocação dessa passarela provisória para os pedestres. Carros não passam pelo local desde o início da obra, tendo que passar por uma entrada na Saint Gobain para chegar a escola e ao fórum.

Pessoas passando na passarela – Foto: Gabriel Borges

MUITOS ESTUDANTES

Ainda de acordo com alguns pais de alunos da Escola Firjan Sesi, além dos outros usuários do Fórum, são muitos os estudantes que passam pela localidade diariamente. Explicaram que a escola conta com cerca de 1,2 mil

alunos no período da manhã e tarde. Colocando que cerca da metade passe pelo local provisório, 600 pessoas usam a passarela. Sem contar quem precisa ir ao fórum. Consideram um número grande de pessoas usando a passarela que não oferece segurança.

“Passei pela passarela no segundo dia de funcionamento. Muitas pessoas indo e outras vindo, de forma apertada, e quando chegou no meio começou a balançar. Foi uma sensação muito ruim e de medo saber que muitas crianças passam diariamente pela estrutura. Não confiei na estabilidade e alguma fiscalização deveria ser feita pela prefeitura ou pelo estado”, disse Cristiano Francisco, pai de uma criança de nove anos. Ele completou que até motocicleta passou por essa passarela.

Já Camila Sutani, mãe de um estudante de oito anos, contou que ficou horrorizada com a passarela. “Eu tenho medo de altura e o dia que precisei passar fiquei preocupada. Fora que não parece nada seguro, as crianças passam correndo e não tem limite de pessoas por vez”, apontou.

Foto: Gabriel Borges

EMPRESA RESPONSÁVEL

Procurada pela equipe de reportagem do A VOZ DA CIDADE, a Secretaria de Estado de Infraestrutura e Obras (Seinfra) informou que acionará a empresa responsável pela obra da Ponte Ruth Coutinho para verificar e melhorar as condições de segurança da passarela provisória. A secretaria destacou que a obra terminará no final do mês de julho.