Sesc RJ assume o Teatro Rosinha de Valença e reativa importante equipamento cultural do Sul-Fluminense

0

VALENÇA

Depois de 21 anos fechado, o Teatro Rosinha de Valença será reaberto nesta sexta-feira, dia 24, para uma cerimônia oficial que marca a cessão do equipamento cultural pela prefeitura valenciana ao Sesc RJ. A instituição assume a gestão do espaço, ocupando-o com atrações das mais diversas linguagens artísticas, como espetáculos de teatro, dança, circo, shows musicais, exposições, exibições de filmes e atividades literárias.

A atividade desta sexta-feira é reservada para autoridades, imprensa e convidados, mas a partir de amanhã, o local já estará disponível à população com programação todas as sextas e sábados sempre com ingressos a preços populares ou gratuitos.

Neste sábado, dia 25, Teatro Rosinha recebe o espetáculo “De férias no sítio”. No próximo fim de semana, dias 1 e 2 de julho, as atrações são a peça “Kid Morengueira” e o musical ‘Sambinha”.

Assumindo o teatro, o Sesc RJ poderá estender a Valença projetos importantes no calendário cultural nacional, como o Festival Sesc de Inverno. Este ano, o evento, que tradicionalmente era realizado na Região Serrana e Três Rios, será ampliado para 12 municípios, e Valença está entre eles, devido à reabertura do teatro. A programação do Festival será divulgada em breve.

Ilustre valenciana da MPB dá nome ao teatro

Com capacidade de 170 lugares, o agora Teatro Sesc Rosinha de Valença foi fundado em 1987 e recebeu esse nome em homenagem a Maria Rosa Canellas (1941-2004), conhecida como Rosinha de Valença. Nascida no município, a violonista, cantora e compositora é considerada uma das matrizes instrumentais da Bossa Nova tendo feito parcerias musicais e cantado e tocado ao lado de nomes como Baden Powell, Maria Bethânia, Martinho da Vila, Nara Leão, Miúcha, João Donato, Ivone Lara, entre outros.

Rede Sesc de Teatro

Sob administração do Sesc RJ, o equipamento cultural passa a integrar a maior rede de teatros do estado do Rio, agora com 22 salas em todas as regiões fluminenses. Além da experiência na gestão de teatros e na formação de técnicos e artistas, a instituição é reconhecida pelo seu protagonismo como fomentadora das mais variadas linguagens artísticas e também pelo trabalho de democratização da cultura.