Pré-candidato a Prefeitura de Volta Redonda Alex Martins participa de painel eleitoral do MEP

0

VOLTA REDONDA

O MEP (Movimento Ética na Política) promoveu na tarde desta quinta-feira (13), a primeira rodada do painel eleitoral. O evento, realizado em parceria com diversos movimentos populares, foi mediado pelo secretário geral do órgão,  José Maria da Silva, o Zezinho, e tem a finalidade de oferecer a sociedade reflexões sobre a construção e a possibilidade da política como um instrumento de serviço a comunidade.

O advogado e mestre em Direitos Sociais Alex Martins, pré-candidato ao Executivo pelo PSB, foi um dos participantes do evento. Em suas considerações iniciais fez uma breve apresentação da sua trajetória de vida e atuação social. “Quero saudar a toda equipe do MEP pela iniciativa e agradecer essa oportunidade. O MEP mais uma vez se lança na frente em defesa da democracia e demonstra sua preocupação com o futuro da nossa cidade. Sou nascido e criado em Volta Redonda, filho de operário aposentado e de dona de casa, 41 anos de idade e além da advocacia que me permitiu atuar em defesa dos trabalhadores por meio dos sindicatos, e ser presidente da OAB-VR por três mandatos, também sou professor universitário de Direitos Humanos e Direito Público na UGB/FERP. Na minha concepção de cidadão, é uma grande honra estar aqui debatendo Volta Redonda”.

Questionado pelo engenheiro João Thomaz sobre a administração do Hospital São João Batista por uma Organização Social (OS), Alex Martins pontuou que a saúde e um direito de todos e dever do Estado. “Assim sendo, é preciso resgatar a dignidade das pessoas que utilizam o sistema público de saúde. Os profissionais que atuam no Hospital São João Batista estão vivendo o caos, com subcondições de trabalho, desrespeito e descontrole dos atendimentos. A relação de trabalho de médicos e enfermeiros com a instituição é de Pessoa Jurídica. Desta maneira, lhes são negados direitos como carteira assinada, férias, 13º salários e outros. As OS são uma realidade no Brasil e em Volta Redonda não é diferente. O que era pra ser uma exceção se tornou regra na administração pública. Defendo a carreira pública e a lei, e com isto a realização de concursos e a valorização dos servidores, de forma organizada e estratégica”.

Na sequência, o presidente do Conselho Municipal de Mobilidade Urbana, João Alves Souza, apresentou uma série de propostas para o setor, como a execução de um Plano de Mobilidade Urbana, um novo edital para o sistema de transporte público, com aval do Comutran e a bilhetagem dos ônibus pela Secretaria de Planejamento Urbano. O pré-candidato pelo PSB disse que é necessário ir além. “Além dessas propostas, temos outras preocupações, como o espaço urbano livre para proporcionar o desenvolvimento humano e social, compreendendo os direitos de homens, mulheres, crianças, idosos e deficientes físicos e com foco no Plano Diretor do município e na Lei Orgânica. São necessárias políticas públicas que atendam efetivamente os interesses da população e resgate a identidade do município. Vamos enfrentar todas essas questões com a seriedade e coragem que merecem”.

Coube ao metalúrgico aposentado Edir Antônio indagar sobre a crise no mundo do trabalho provocada pelo coronavírus, a situação das cooperativas de catadores de recicláveis e o que fazer para garantir a iniciativa destes trabalhadores em buscar renda. “A questão chave é a economia das pessoas e a economia pública. Antes da pandemia Volta Redonda e o Brasil já apresentavam índices preocupantes de desemprego e baixa capacidade de consumo. A gente precisa investir em políticas públicas que atraiam novos investimentos, mas que valorizem os já existentes, assim como em pesquisa e inovação tecnológica. Volta Redonda tem capital humano gabaritado por instituições, como a UFF, o Instituto Federal Tecnológico, as universidades, mas que não são convidados para debater o desenvolvimento. O último censo aponta que o município não é mais dependente da indústria e que a economia é fomentada pelo setor de bens e serviços. Por isto, é extremamente importante qualificar e dar condições de trabalho a esses empreendedores, através do Sebrae e outras instituições especializadas no setor. Vamos desenvolver um projeto para que Volta Redonda gere empregos inclusivos e invista no mercado digital”, destacou.

No que se refere aos direitos humanos, a professora e representante da Pastoral da mulher Marginalizada abordou acerca das propostas de moradias para pessoas que residem em área de risco e de posse. O advogado Alex Martins afirmou que a propriedade é um direito constitucional, é o direito de ser feliz com dignidade. “É papel do poder público enfrentar e combater as desigualdades sociais e humanas. Precisamos dar luz as pessoas que estão na sociedade de maneira invisível, como a mulheres espancadas, os jovens abusados sexualmente e outros cidadãos. Além disso, resgatar o papel da Cohab na construção de moradias dignas para pessoas de baixa renda e elaborar projetos técnicos que nos permita buscar recursos juntos aos governos federal e estadual para garantir os direitos civis, entre eles, o da moradia. O básico está faltando. Nossa pré-candidatura não vai salvar o mundo, mas vai ajudar a enfrentar os grandes desafios existentes na cidade”.

Encerrando a rodada de perguntas, a professora Sônia Leite apresentou o perfil do setor da educação, cultura e esportes, perguntando sobre as propostas existentes. Martins afirmou que a escola precisa ser democrática, aberta e desejada de ser frequentada por familiares dos alunos e a comunidade. “Precisa ser um espaço de ponto de encontro. Mas, para isso é necessário e importante pensar a educação do ponto de vista do professor, buscando saber como está a vida desse profissional quando ele deixa a sala de aula, sua relação familiar e amigos e até a sua situação financeira. A prefeitura precisa ser amiga do professor, pois ele é responsável pela formação humana dos cidadãos do nosso município. Precisamos implementar a autonomia pedagógica, oferecer a oportunidade de pós-graduação e estimular cada vez mais o conhecimento. No que se refere à cultura e esportes, queremos criar agendas nos bairros que favoreçam a inclusão e despertem vocações. São projetos de futuro eu começam a ser realizados agora”..

Em suas considerações finais, a advogado pontuou sobre a plataforma virtual #PARTICIPAVR, através do site https://alexmartins.financie.de, como forma de diálogo com a população para a construção do Plano de Governo.

error: Conteúdo protegido !