Pirâmide financeira

0

Que tal ficar rico rapidamente, com pouco esforço? Uma proposta tentadora que vem alcançando cada vez mais pessoas através dos golpes de pirâmide financeira. A promessa é sempre a mesma: ganhar dinheiro fácil e rápido com a venda de um produto ou serviço, porém, o que movimenta o negócio é o recrutamento de novos integrantes à sua rede. Quanto mais pessoas levar ao grupo, mais dinheiro ganhará. Em tempos de desemprego em alta, esse tipo de operação ilegal, acaba recebendo novos participantes que podem facilmente ficar no prejuízo.

A organização criminosa começa com um convite para fazer parte de uma rede que vende algo específico com uma remuneração alta. Muitas vezes, a apresentação desse grupo acontece através de abordagens diretas, em eventos fechados, onde os líderes da rede captam novos integrantes de forma insistente. Para fazer parte do grupo, o interessado deve pagar uma taxa de adesão e uma mensalidade. Quanto mais pessoas levar, mais dinheiro receberá em troca. O novo membro recebe por cada novo integrante que conseguir trazer e pelos convidados dele, daí o conceito de pirâmide. Quem está na parte de baixo trabalha para aumentar os ganhos de quem está no topo. Existe uma hora que a captação se esgota e o esquema não se sustenta, quem está no topo da pirâmide já lucrou o suficiente, os últimos integrantes amargam o prejuízo, e é muito difícil recuperar o dinheiro que pagou, porque a justiça pode considerar como cúmplices os envolvidos no negócio. As pirâmides envolvem produtos ou serviços de baixo valor e de difícil entendimento, sem regras claras de remuneração, e exigem que o interessado invista dinheiro antecipadamente. Elas não se sustentam a longo prazo, porque, para isso, precisariam envolver um número infinito de pessoas.

A Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais (Anbima) mostra vários indícios que podem servir de alerta aos investidores que estão em contato com uma fraude através do serviço “Como Investir”. Segundo a associação, o tema voltou à tona em 2019 quando dois esquemas financeiros fraudulentos deixaram milhares de investidores com enormes prejuízos. Em comum, traziam ofertas de rentabilidades sedutoras, acima do praticado no mercado, promessas de “risco zero” e a exigência de depósitos em contas correntes pessoais.

Desconfie de negócios tentadores que exijam pagamento antecipado, suspeite também da insistência exagerada para participar de encontros de empresas que não têm uma atividade muito clara. Na grande maioria dos casos, as pirâmides andam a margem do sistema financeiro, por isso, vale fazer uma busca na internet para conferir se a empresa tem Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ). Em finanças não existe milagre, tempo, risco e retorno estão sempre conjugados ao esforço do investidor em buscar as melhores oportunidades.

Deixe um Comentário

error: Conteúdo protegido !