Por que você trabalha?

0

 

É só para ganhar dinheiro ou você tem algum propósito por trás do que você faz? Você gosta do que faz? O que motiva você? Esse tipo de questão deixa muita gente sem sono e mostra que existe muito por trás do universo aparentemente simples do trabalho x dinheiro.

A geração Yé especializada nisto. Os trabalhos que mais interessam não são necessariamente aqueles que pagam melhor, mas sim os que dão autonomia, um senso de propósito e a flexibilidade que desejam ter para o seu dia-a-dia. Não é à toa que foi quem mais facilmente se adaptou à rotina de home office imposta pelo Coronavirus.

Dan Ariely, professor de psicologia e economia e também autor do livro “Positivamente Irracional”, destaca que “Nossos empregos são uma parte integral de nossa identidade, e não apenas uma forma de ganhar dinheiro para termos um teto sobre nossas cabeças e manter a barriga cheia. Muita gente sente orgulho e encontra sentido em seus trabalhos”.  Segundo ele, ter um propósito no trabalho e esforço, influencia diretamente a forma como os encaramos.  Quer um exemplo? Pense naquele funcionário que virou a madrugada preparando uma apresentação que não foi usada, apesar de ter tido o esforço reconhecido pelo chefe. Ou então no escritor que foi pago por um livro que nunca saiu da gaveta do editor. Qual é o nível de felicidade e comprometimento que podemos esperar destas duas pessoas?É baixo, mesmo que o trabalho não mude. Escrever um livro exige um bom esforço e, caso você goste da atividade, pode ser até algo prazeroso, mas todo o prazer acaba se você sabe que aquilo nunca será lido por ninguém. Logo, podemos perceber que a motivação não está no contracheque, mas sim na ideia de que o nosso trabalho pode ter algum sentido.

Para provar essa hipótese, o professor Dan Ariely montou um estudo com alunos de engenharia de Harvard. Eles se inscreviam para serem pagos para montar Legos, uma atividade prazerosa por si só, especialmente para alunos de engenharia. Eles seriam pagos US$ 2 para o primeiro boneco que montassem, e cada boneco extra valeria U$ 0,11 a menos. Todos sabiam que os bonecos seriam desmontados para o próximo participante.A diferença era que o primeiro grupo não via os bonecos serem desmontados, e o segundo grupo acompanhava a “destruição” do seu trabalho enquanto montava o próximo boneco. O resultado foi claro: os participantes do primeiro grupo montaram, em média, 10,6 bonecos e receberam uma média de US$ 14,40, enquanto os do segundo grupo montaram apenas 7,2 bonecos e receberam US$ 11,52 na atividade. O mais interessante foi que 65% dos alunos do primeiro grupo continuaram a montar Legos depois de passarem a ganhar menos de um dólar, enquanto apenas 20% dos membros do segundo grupo fizeram o mesmo.Depois da tarefa, eles eram questionados para avaliar se gostaram da atividade e quanto gostavam de Legos. Para os alunos do segundo grupo, não houve correlação entre o prazer da tarefa e a persistência nela.Ou seja: ao acabar com o senso de sentido dos alunos do segundo grupo, que via o seu trabalho ser desmontado enquanto continuava nele, o estudo conseguiu eliminar qualquer tipo de motivação e prazer intrínseco que os participantes sentiam ao realizar uma tarefa que gostavam de fazer.

O estudo é interessante para avaliar o seu próprio trabalho e as pessoas que trabalham próximas de você. São fatores simples que podem ter um impacto grande na sua motivação para realizar uma tarefa, além do fato de você gostar daquilo, pesa também a ideia de que aquele trabalho tenha algum sentido, ainda que seja apenas para o seu chefe. É um ciclo muito claro, quando fazemos o que gostamos e percebemos sentindo, fazemos melhor, e assim nos tornamos mais produtivos, produtividade nos gera riqueza, e esta vai muito além de dinheiro.

 

error: Conteúdo protegido !