Com a presença de Rodrigo Maia, reunião em Barra Mansa discute efeitos da intervenção militar no interior

6

BARRA MANSA

Os efeitos da intervenção militar federal no interior, após início da determinação federal no estado do Rio de Janeiro, foram discutidos na manhã desta sexta-feira, dia 2, em reunião realizada no Centro Educacional Integral (CEI) Vieira da Silva, no Centro. O encontro foi o segundo do Observatório Legislativo da Intervenção Federal na Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro (Olerj) criado pelo deputado federal e presidente do Congresso Nacional, Rodrigo Maia (DEM). Além dele, outros colegas de bancada na Câmara estiveram presentes, como Aureo (SD-RJ), Deley de Oliveira (PTB) e Alexandre Serfiotis (MDB). Prefeitos da região, vereadores de Barra Mansa e membros de órgãos de segurança pública do estado também participaram.

A migração de criminosos da capital para o Sul Fluminense, o aumento do efetivo policial e o investimento na melhoria das condições de trabalho das polícias foram alguns dos temas levantados na segunda reunião do Olerj. O trabalho de prevenção ao aumento da violência com a utilização da Educação, com as escolas integrais, também foi discutido na ocasião.

Segundo Maia, além da fiscalização da intervenção, o Observatório acompanhará a situação da Educação no Rio. “O Observatório é também um instrumento para analisar e entender a origem da violência e seus impactos na sociedade. Vamos acompanhar, a médio e longo prazo, para que possamos cuidar melhor da nossa juventude, que é hoje a mais vulnerável ao tráfico de armas e drogas. Analisar quais são os caminhos e os problemas atualmente na Educação. De que formas podemos construir soluções para que o Brasil, de fato, volte a gerar empregos. Acho que esse é o desafio. Esse não é um problema só do Rio de Janeiro, outros estados já solicitaram intervenção, então é um tema nacional que está em pauta de 2014 para cá, com o aumento dos números da violência”, afirmou Maia.

O encontro aconteceu no CEI Vieira da Silva, escola que já atende ao plano de Educação Integral implantado pela Secretaria Municipal de Educação este ano em Barra Mansa. A escola em tempo integral atende, atualmente, 2.600 dos 19,9 mil estudantes do município, mas que a meta é chegar a 50% em 2020. O secretário de Educação de Barra Mansa, Vantoil de Souza, detalhou que são oferecidas aos estudantes atividades que contribuam para a formação cidadã e profissional dos jovens, como aulas de línguas estrangeiras, robótica, informática com foco no desenvolvimento de jogos, empreendedorismo, teatro e música.

“A gente acredita que é possível promover essas mudanças através da Educação e da escola pública, mas é preciso que esse investimento seja produtivo. Não adianta aumentar a carga horária do aluno e ele ter somente atividades recreativas, porque isso é terapia ocupacional, é dinheiro jogado fora. Nós precisamos preencher o tempo dela com atividades que a façam ter mais oportunidades e que sejam atrativas para ela. Educação não pode ser mero passatempo” afirmou Vantoil.

POLÍCIA E JUSTIÇA
O prefeito de Barra Mansa e presidente do Consórcio Intermunicipal de Segurança do Médio Vale do Paraíba Fluminense (Cisegci), Rodrigo Drable (MDB), lembrou a precariedade das viaturas policiais, falou do pouco efetivo policial para a região, e deu voz às reclamações do Cisegci sobre a atuação da Justiça.

“É preciso que essa intervenção também olhe para o interior, porque nos últimos anos houve um aumento da criminalidade e um processo migratório de bandidos para as cidades da região. Quando Angra dos Reis precisou, policiais de Barra Mansa foram deslocados para lá e nós ficamos desguarnecidos, porque não há homens suficientes. A situação das viaturas é outro problema. É preciso novos veículos para o interior. O prefeito de Pinheiral, Ednardo Barbosa (MDB), levantou a questão da polícia técnica, que é preciso reforçar. E outro assunto levantado, e que penso que é essencial, é com relação à atuação do Judiciário. Nós em Barra Mansa sentimos isso na pele, onde criminosos perigosos são colocados em liberdade pouco tempo depois de presos pela polícia”, disse Rodrigo.

Encontro aconteceu no Centro Educacional Integral (CEI) Vieira da Silva, no Centro – Foto: Fábio Guimas

O prefeito defendeu ainda o porte e uso de arma de fogo pelas Guardas Municipais, que segundo ele foi retirado há dois anos.
“A Guarda Municipal é um braço importante da segurança pública e é preciso que sejam mais bem aparelhados”, avaliou.

INTERVENÇÃO NAS RUAS
Perguntado sobre quando teria início a intervenção militar de forma efetiva, com a presença das Forças Armadas nas ruas de todo o estado, Maia disse que aguarda uma posição do general do Exército Walter Souza Braga Netto. “Nossa expectativa é que o interventor apresente o mais rápido possível o planejamento. Ele mesmo disse na semana passada que foi pego de surpresa e que ainda estava estudando. A gente espera que com a integração entre as Forças Armadas e as polícias Civil e Militar possamos ver resultados entre 30 e 40 dias”, disse o deputado.

Questionado na saída da reunião sobre o diagnóstico que fazia do encontro, Maia se mostrou otimista na solução dos problemas apresentados pelos prefeitos e representantes da segurança pública, principalmente com relação às leis e a atuação da Justiça.

“Acho que dá para dialogar com o Judiciário. Uma parte pode ser culpa do Judiciário, mas outra pode ser das leis. Muita gente reclama que as leis são muito flexíveis e a gente vai discutir isso. O bandido comete um crime grave e poucos meses depois ganha a liberdade. Mas tem também os problemas estruturais, a falta de recursos, que está em todas as áreas do estado pela crise financeira que o Brasil viveu, mas acho que nos próximos meses vamos poder retomar alguns projetos com a recuperação da arrecadação do Governo Federal”, declarou Maia.

O deputado Aureo (SD-RJ) também se posicionou a favor da intervenção militar. Ele disse que a ação é a única esperança do morador fluminense na melhoria da qualidade de vida e que não se pode pensar em outro resultado que não seja a solução do problema da segurança pública.

“Hoje o crime organizado tomou conta de todas as regiões do estado e tirou o direito do cidadão até de arrumar um emprego, porque não pode chegar em casa tarde, ou então porque não pode sair de madrugada. Tira a oportunidade das crianças estudarem, porque há tiroteios e as aulas são suspensas. É um momento muito crítico. Então a intervenção é importante para o Rio de Janeiro e também para o Brasil. O Rio recebe 40% do turismo internacional e a nossa imagem é estampada no mundo todo”, desabafou o deputado, defendendo a atuação do Observatório de forma integrada com o aspecto social.

EDUCAÇÃO NO COMBATE AO CRIME
O deputado Deley de Oliveira (PTB) elogiou a atuação do presidente da Câmara e a preocupação dele na criação do Observatório. “Parabenizo a atuação do Rodrigo que vem tendo muita sabedoria e maturidade na condução dos trabalhos no Congresso Nacional. E não há nada de oportunismo eleitoral. A intervenção é necessária, principalmente pelo Rio de Janeiro ter uma ressonância muito grande. Isso pode ser levado para outros estados. Talvez a gente consiga, como foi com Darcy Ribeiro lá atrás, deixar um legado”, afirmou Deley, lembrando, que como ex-jogador de futebol, acredita que o esporte e a educação sejam instrumentos de prevenção da violência.

OLERJ
Além de promover a transparência dos resultados da intervenção, o observatório tem como objetivo incentivar a produção de estudos e avaliações da situação de violência no estado do Rio em parceria com institutos de pesquisa e universidades, funcionando como uma ferramenta digital de debates e fóruns para ouvir a população. A previsão de funcionamento é que vá até o dia 31 de janeiro de 2019.

6 Comentários

  1. Barra Mansa dificilmente irá avançar politicamente e economicamente. Olha o pelotão de vereadores puxa sacos ao lado do prefeito. Esses dois ai eram oposição ao prefeito, agora mudaram de lado. por isso que tudo que vai para câmara votar ou aprovar passa. É muita sacanagem com o povo de Barra Mansa.

  2. Não acredito que sejam PUXAS SACO do prefeito, sempre estou nas sessões e vejo esse jovem Marcell Castro em apoio do povo.E Wellington Pires é um rapaz sério. Presença em eventos políticos faz parte !!!! Boa sorte Barra Mansa

  3. Então cris vc esta tão ligada que os dois foram a favor do aumento salarial deles do prefeito e da vice e tambem dos secretarios. Isso sim e votar a favor do povo de barra mansa que sofre com o desemprego e com o descaso total na saúde na educação e principalmente na infra estrutura. Uma moção pra vc. Rsrstd