Volta Redonda faz capacitações sobre cuidados com a Varíola dos Macacos; cidade tem cinco casos suspeitos

0

VOLTA REDONDA
A Prefeitura de Volta Redonda, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), tem capacitado profissionais sobre a Varíola dos Macacos (monkeypox). O objetivo é atualizar a situação da doença na cidade e orientá-los sobre medidas de cuidado, prevenção, transmissão, notificação e isolamento, seguindo as diretrizes da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde (MS). A cidade segue com cinco casos suspeitos sob investigação.
De acordo com o Ministério da Saúde, a doença começa, quase sempre, com uma febre súbita, forte e intensa. A pessoa pode apresentar dor de cabeça, náusea, exaustão, cansaço e fundamentalmente o aparecimento de gânglios, inchaços popularmente conhecidos como “ínguas”, que podem acontecer tanto na região do pescoço, na região axilar, como na região perigenital. A manifestação na pele é chamada de papulovesicular uniforme, que são feridas ou lesões pelo corpo.
RECOMENDAÇÃO EM CASO E SUSPEITA
A recomendação é que em caso de suspeita da doença, a pessoa procure atendimento em qualquer unidade básica de saúde ou na unidade hospitalar de referência, no caso de quem possui plano de saúde. O diagnóstico inicial é clínico, em seguida o médico ou outro profissional de saúde vai indicar a coleta do exame para fazer o teste. “O diagnóstico da varíola dos macacos é feito por teste molecular (swab nasal ou mucosa) e também por exame de sangue.
A Vigilância em Saúde do município precisa ser notificada pela unidade para que possam ser encaminhados os materiais. Caso tenha necessidade outros exames podem ser solicitados, vai depender da condição clínica do paciente. As amostras coletadas são encaminhadas ao Laboratório Central de Saúde Pública Noel Nutels (Lacen-RJ)”, explicou o médico sanitarista da SMS, Carlos Vasconcellos. Ainda de acordo com Vasconcellos, desde o surgimento da varíola dos macacos, nove casos suspeitos foram notificados em Volta Redonda, sendo que quatro já foram descartados e cinco estão sob investigação.
ISOLAMENTO
Do início dos sintomas até o resultado dos exames, o paciente deve manter isolamento social de 21 dias. A principal forma de transmissão da varíola dos macacos é por meio do contato. Esse contato acontece por pele/pele, secreções ou por objetos pessoais do paciente infectado.
Durante o isolamento todo material de roupa de cama, roupas, lençóis e objetos pessoais devem passar por um processo de higienização, de fervura, de lavagem com água e sabão para, dessa forma, impedir a transmissão. O tratamento da doença é baseado em medidas de suporte com o objetivo de aliviar sintomas, prevenir e tratar complicações e prevenir sequelas.