Polícia Civil prende suspeito de morte de mulher carbonizada em Resende

0

RESENDE

A Polícia Civil informou nesta quinta-feira, dia 13, que está preso na Casa de Custódia de Volta Redonda, um homem suspeito de ter assassinado uma mulher em Resende. O corpo carbonizado foi encontrado as margens da Estrada Resende-Riachuelo, próximo a uma siderúrgica, na região do Acesso Oeste, no dia 09 de janeiro. Ao lado do corpo foi encontrada uma cadela da raça Pitbull que estava parcialmente carbonizado.

Os policiais do Setor de Investigações Criminais (SIC) da 89ª Delegacia de Polícia (DP) contaram que uma semana após o encontro do cadáver, familiares registraram na delegacia o desaparecimento de uma mulher, informando que ela teria saído de casa no dia 9 e não retornado. Com a ajuda de filmagens de câmeras de segurança do município, os policiais começaram desvendar todo o roteiro em que a mulher foi vista no bairro Alto dos Passos, na região central da cidade, no dia de seu desaparecimento. “Com as filmagens identificamos que a jovem desaparecida entrou em um Fiat Uno de cor prata pertencente a uma empresa prestadora de serviços de internet. A partir daí, o carro seguiu todo o percurso até chegar na região onde o cadáver foi encontrado”, informaram os policiais que chegaram até o técnico após apurarem quem estaria com o veículo no dia do desaparecimento da mulher. “O funcionário que estava com o carro no dia do crime foi identificado. Realizamos um exame com luminol- é um reagente quimioluminescente que reage com o sangue, emitindo uma luz, sendo muito usado em perícias criminais. O reagente detectou marcas de sangue no banco do carona. Retiramos todo o foro do banco e havia manchas de sangue na espuma do assento e do encosto”, explicaram.

Com todos os indícios criminais, o delegado titular Michel Floroschk pediu a prisão temporária por 30 dias do suspeito junto ao Ministério Público. A prisão foi deferida pela juíza da 2ª Vara Criminal da Comarca de Resende, Ludmilla Vanessa Lins da Silva. “Um dia antes de efetuarmos a prisão, o suspeito se apresentou na delegacia com um advogado. Ele prestou depoimento e negou todo o crime. O suspeito alega que, embora, estivesse com o veículo, o estacionou na praça em frente de sua casa e só o pegou na manhã seguinte”, contaram os agentes da Civil.

INVESTIGAÇÃO CONTINUA

O caso continua sendo investigado. Segundo a Polícia Civil. Amostras de sangue do cadáver, dos familiares da mulher desaparecida e das manchas de sangue encontradas no banco do carro foram enviadas para exame de DNA, no Instituto de Pesquisa de Perícias Genética Forense (IPPGF), no Rio de Janeiro. “Com o resultado destes exames que deverão ficar prontos em abril, vamos poder confirmar se o corpo carbonizado é o da mulher desaparecida”, relataram os agentes.

error: Conteúdo protegido !