Lux Muchick Cesar é uma das vencedoras do Prêmio Future Designer de Milão

0

VOLTA REDONDA

A aluna do curso de Design do Centro Universitário de Volta Redonda (UniFOA), Lux Muchick Cesar, é uma das cinco vencedoras do Prêmio Future Designer, concurso que selecionou estudantes de moda do Brasil para fazerem um curso de Orientação Profissional em Milão. Foram mais de 300 inscrições de instituições de ensino de todo país.

A experiência no mundo da moda, na Itália, já tem data marcada e será entre 23 e 27 de junho de 2020. Para custear os gastos da viagem, a aluna já iniciou uma vaquinha virtual que pode ser acessada em https://bit.ly/2Scb93C. A meta é conseguir R$ 12 mil. “O valor será para as despesas como passagens, alimentação e hospedagens que não estão incluídas no prêmio. Por isso, conto com o apoio para a realização deste curso. Amigos estão fazendo rifas, compartilhando a Vakinha, todos estão se sentindo representados”, destaca.

De acordo com a vencedora, o curso será uma verdadeira imersão de orientação profissional para o mercado global de moda. “O programa prevê visitas, conversas, palestras e atividades práticas, que têm por objetivo apresentar um cenário positivo para a atuação profissional na área de moda, da criação à comunicação. Os vencedores serão apresentados às instituições italianas e, também, às oportunidades dentro do mundo do trabalho na área”, destaca Lux. A ação na Itália se ampliará e buscará o melhor Trabalho de Conclusão de Curso do Brasil para desfilar no Fashion Graduate.

Ela, que se identifica como uma mulher transexual, se inspirou em peças que mantém e valorizam a feminilidade. “Um dos temas sugeridos por eles para nos inspirarmos na criação do conteúdo foi ‘A ousadia da mulher contemporânea no pret-a-porter de Milão’ e acredito que não exista mulher mais contemporânea, atualmente, que as travestis”, destaca.

Participar do concurso é algo enriquecedor para seu currículo. “É um mercado difícil, faço curso de design que foca em produtos e gráficos, a moda é indiretamente citada. Mas o aprendizado será voltado para o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), além de trazer novidades da moda de lá, para o mercado daqui”, cita.

REPRESENTATIVIDADE

Quando se inscreveu para o concurso Lux não poderia imaginar as transformações que surgiriam em sua vida. “Antes mesmo de o resultado sair, a universidade me premiou e tem me apoiado em tudo. É uma grande motivação para os meus estudos. Achei que as pessoas não fossem se importar, mas meus amigos estão se sentindo representados, muitos vem me mostrar o jornal chorando, são pessoas que nem conheço estão ajudando na Vakinha, parabenizando nas ruas. Falam que me tornei exemplo das mulheres trans, no meio acadêmico, existem poucas trans. Somos marginalizadas, as famílias rejeitam e muitas vão parar na prostituição para sobreviver. Represento todas as mulheres e o universo LGBT e digo que todos somos capazes, seja em qual área for”, destaca.

Segundo ela, o concurso veio na hora exata como a acadêmica. “Fui demitida de um estágio ao me assumir trans e começar a minha mudança hormonal. Disseram que eu não estava adequada ao perfil da empresa. Agora, todos me conhecem pela minha capacidade intelectual”, conclui.

 

error: Conteúdo protegido !