Páscoa: Campanha incentiva o consumo de produtos artesanais

0

SUL FLUMINENSE

A comemoração da Páscoa promete ser diferente este ano, devido ao isolamento social por conta da pandemia do coronavírus (Covid-19). Um loja especializada em produtos de confeitaria e embalagens, com estabelecimentos em Barra Mansa e Volta Redonda, lança em parceria com suas clientes, uma campanha com o objetivo de estimular os consumidores a comprarem ovos de chocolate e produtos de chocolate artesanal para a Páscoa. A ideia é apoiar os pequenos empreendedores a se manterem financeiramente, fazendo a economia girar no Sul Fluminense.

A campanha é divulgada nas redes sociais da loja, de comunicadores e influenciadores digitais da região que estão abraçando a causa. Com a proibição da realização de festas nas cidades, por motivo do coronavírus, muitos empreendedores tiveram suas encomendas canceladas.  Eles enxergam na Páscoa uma oportunidade de impulsionar as suas vendas e sair do vermelho. “Uma grande parcela dos empreendedores artesanais são mulheres, chefes de famílias que trabalham em casa.  Para elas, a produção de ovos de chocolate e bolos na Páscoa é uma forma de ganhar uma renda extra. Porém, este ano, para muitas, será uma forma de sobrevivência, de poder garantir um alimento na mesa”, afirma a empresária Ana Alves, da Cristal Artes e Festas.

Ana Alves incentiva campanha regional para o consumo do comércio local durante a Páscoa – Divulgação

Segundo Ana, muitas empreendedoras estão preocupadas, temerosas que devido ao isolamento social e a incerteza econômica as pessoas deixem de comprar. “Por este motivo estamos apoiando essa campanha para mostrar as vantagens de comprar com o produtor local”, esclarece, acrescentando que a maioria das produtoras faz entrega em domicílio.

Para atender a demanda das empreendedoras artesanais, fornecendo matéria prima para produção de seus bolos e chocolates, a própria loja teve que se reestruturar e se adequar a nova realidade imposta pela pandemia. Implantou um sistema de entrega por delivery e também está atendendo por meio da loja virtual. “Páscoa é sinônimo de afeto. Chocolate adoça e conforta sempre.  Em tempos tão difíceis, pode ser enviado como um de carinho para aqueles que amamos para mostrar que mesmo a distância, mesmo na ausência de abraços estamos juntos”, disse.

Os ovos de chocolate são o carro-chefe das vendas na Páscoa – Divulgação

VENDA REDUZIDA COM O COMÉRCIO FECHADO

Com praticamente todo o comércio fechado, muitos empreendedores enfrentam dificuldades para manter o volume de vendas. Os comerciários são consumidores em potencial na oferta de produtos de chocolate pelos empreendedores na oferta de loja em loja, citando a Páscoa. Em Barra Mansa, a pandemia fez a empreendedora Betânia Mangelli, mudar a estratégia de entregas e criar kits promocionais para fomentar as vendas. “Com a pandemia as vendas baixaram em torno de 45% em comparação com o ano passado. As lojas estão fechadas e menos pessoas circulam nas ruas. As pessoas tem incerteza ao salário e ao próprio trabalho, emprego. A alternativa que encontrei foi criar kits mais em conta, principalmente os infantis. São opções baratas, a pessoa não deixa de dar alguma lembrancinha e ainda economiza de alguma forma”, comenta Betânia, que tem produtos a partir de R$ 12.

Os kits para o público infantil são alternativa para fomentar as vendas nesta Páscoa – Divulgação

A empreendedora também produz ovos de chocolate ao leite, crocante e branco, com recheios variados como brigadeiro e nozes. Há ainda opção de ovos trufados e ovos de colher, com preços a partir de R$ 45 pesando 400 gramas. “A pandemia me fez restringir a área de entrega. Como estratégia priorizo o centro de Barra Mansa ou peço que retirem as encomendas em minha casa”, comenta.

A Trufas Mangelli produz ovos de chocolate e recebe encomendas pelo WhatsApp – Divulgação

ORIENTAÇÃO AO PEQUENO VAREJISTA

Segundo a Confederação Nacional das Câmaras de Dirigentes Lojistas (CNDL) a Páscoa é uma das principais datas da cristandade e também representa um momento importante para o varejo brasileiro. Tão importante que os resultados das vendas de chocolate, peixe e vinhos, produtos intrinsecamente ligados à festividade, são usados por economistas para aferir a saúde da economia no país.

Entretanto, em virtude da pandemia da Covid-19, a Páscoa de 2020 não poderá servir como base de comparação para nada. Com as pessoas confinadas em suas casas devido às mediadas de combate ao coronavírus, muitas delas sem salário, é certo que haverá um impacto nas vendas, principalmente de chocolate. “O chocolate é um produto caracterizado pelo consumo em momentos de indulgência e sabemos que, por não ser um item de primeira necessidade, acompanha o desempenho da economia”, disse em janeiro o presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Chocolate, Amendoim e Balas (Abicab), Ubiracy Fonsêca. Agora, a Abicab divulgou em seu site que “a recomendação de isolamento social freou uma série de iniciativas, eventos e lançamentos programados para o período que provocou um giro de 180 graus no mercado”.

Para o pequeno varejista driblar o momento de crise a dica é explorar a criatividade. O consultor de varejo Marco Quintarelli disse que a expectativa antes da pandemia era de um crescimento dentre 6 e 10%, porém não havia um quadro de aumento considerável no câmbio, nem as definições de quarentena, que provocou o fechamento de muitas lojas de varejo, além da redução da movimentação de indivíduos e logística de abastecimento. “Ainda é uma incógnita como o mercado irá responder a esta situação”, disse, comentando o que os varejistas podem fazer para minimizar esse impacto. “Primeiro, seguir com os protocolos de segurança na higiene pessoal e segurança alimentar contra a propagação do coronavírus. Isso é fundamental! Além disso, garantir o abastecimento de gêneros e evitar o aumento de preços da cadeia de abastecimento. Também é importante manter as suas estratégias originais de ações de marketing.

O consultor comentou como o varejista pode se preparar para ampliar suas vendas nesse cenário, afirmando que um bom caminho são as promoções de preço e de ‘leve e ganhe’, onde o consumidor se beneficia comprando um volume maior de unidades. “Isso com abordagem e degustação de ovos de chocolate, azeites, bacalhau (bolinho, desfiado). Também vale priorizar a exposição de itens sazonais, trabalhar espaços-chave como ilhas e pontas de caixa. Tudo isso auxilia num interesse maior ao consumidor”, argumenta. Sobre inovação pelos empreendedores e lojistas, Quintarelli ressaltou que a Páscoa tem um simbolismo único, mas pode ser aproveitado de muitas formas. “O momento agora é de união familiar. A partir daí vale a criatividade do varejista. Ele pode focar em produtos para quem vai confraternizar em casa. São diversos canais que podem ser utilizados para aumento do ticket médio com os produtos sazonais ou de oportunidade”, finaliza.

error: Conteúdo protegido !