Pesquisa aponta que empresários estão otimistas com a retomada econômica

0

ESTADO/BARRA MANSA

Boas notícias para o setor do comércio. A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio-RJ) acaba de divulgar uma nova sondagem com empresários fluminenses e revela que 21,3% dos entrevistados do setor de comércio e serviços do Estado do Rio de Janeiro (ERJ) afirmaram que a situação de seus negócios melhorou nos últimos três meses, percentual levemente superior ao registrado em dezembro (20,7%).

A pesquisa ainda destaca que o número de comerciantes que acredita que seu negócio está estabilizado aumentou de 19,7% no mês anterior, para 24,5% em janeiro. O número de empreendedores que afirma que o quadro do seu negócio piorou reduziu de 29,8% no mês de dezembro, para 28,3%, assim como os que acreditam que piorou muito: de 27,3% para 22,3%. Para 3,6%, houve muita melhoria, frente a 2,5% em dezembro.

De acordo com o presidente do Sindicato do Comércio Varejista (Sicomércio), Hugo Tavares, existe sim um otimismo sentido no dia a dia e relatado na pesquisa, reflexo de um dezembro (mês geralmente de aquecimento das vendas) em um ano em que o comércio viveu o efeito de um mês praticamente fechado. “Isso desorganizou de forma econômica e operacionalmente cadeias de suprimentos de vários segmentos, refletindo em muitas faltas de produtos no decorrer de 2020, de fato sentimos que está havendo uma reorganização dos setores e seguimos otimistas acreditando nas regras de prevenção, na vacinação da população e na prontidão do poder público no atendimento de leitos dedicados à Covid nos hospitais, havendo crescimento da doença o número de leitos dedicados também sejam aumentados. Assim diminuindo os riscos que afetam uma retomada esperada do comércio e serviços neste ano”, destaca.

resultados

Houve variação positiva também nas expectativas que os empresários fazem para os seus negócios nos próximos três meses. Setenta e seis por cento dos empreendedores esperam que melhore ou melhore muito, no mês anterior esse percentual era de 71%. Foi possível observar também uma leve redução na proporção de empresários que acham que vai piorar ou piorar muito, de 12,3% em dezembro, para 10,4%. Portanto, uma melhora no otimismo para os próximos três meses em relação ao próprio negócio, primeiro sinal positivo após duas quedas consecutivas.

O indicador que captura o comportamento da demanda pelos bens e serviços produzidos pelos empresários nos últimos três meses também apresentou crescimento. Em janeiro, o indicador marcou 65,7 (contra 61,8 em dezembro).

Sobre a expectativa dos fluminenses pelas demandas nos próximos meses, a sondagem registrou aumento dos que acreditam que haverá estabilização: de 32% em dezembro, para 33,9% em janeiro. Para outros 43,2%, haverá aumento e 8,6% esperam um incremento significativo. Houve, ainda, redução entre os pessimistas de 12,3% em dezembro, para 8,6%. Para os que acreditam diminuição acentuada, o percentual se manteve estável em 5,6%. Sinteticamente, os empresários estão otimistas em relação à demanda nos próximos 3 meses. O indicador que captura a informação subiu de 132,3 em dezembro para 137,6 em janeiro.

CONTRATAÇÃO DE TRABALHADORES 

Perguntados sobre o quadro de funcionários, o levantamento mostrou outro aumento entre os que disseram que o número de trabalhadores em suas empresas aumentou nos últimos três meses: de 4,2% para 6%. Já para 46,4% o quadro foi estabilizado, seguido pelos que responderam que houve redução (22,3%) e muita diminuição (24,7%). Apenas 6% informaram que existiu um aumento. Em resumo, houve aumento do indicador que mede a contratação nos últimos três meses: 54,4 em dezembro para 59,6 em janeiro.

Houve aumento também da expectativa de contratação entre dezembro/20 e janeiro/21, puxada fundamentalmente pela proporção de empresários que disse que o quadro de funcionários diminuiria ou diminuiria muito (22,5%) em janeiro, frente aos 24,6% dezembro/20. O indicador subiu de 95,6 em dezembro para 98,6 em janeiro.

 

error: Conteúdo protegido !