Lojas adotam vitrines explorando o Réveillon para a venda de roupas

0

SUL FLUMINENSE

A virada do ano pode representar a renovação e o clima de esperança e comemoração contagia boa parte da população. Os mais ansiosos aproveitam a ocasião para aguardar melhorias na rotina pessoal e para isso, comprar roupa nova é uma tradição. Passado o Natal, as vitrines das lojas já exploram o Réveillon com roupas na cor branca ou ainda o amarelo, azul, vermelho e verde – cores que expressam desejo por fortuna, tranquilidade, amor e sorte, por exemplo. As cores podem ser usadas em peças de roupa, maquiagem, acessórios, esmalte ou até roupa íntima.

De acordo com um levantamento realizado pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), 54% dos consumidores pretende comprar alguma peça de roupa, sapatos ou acessórios para festejar a chegada de 2020. Entre as mulheres, este número chega a 59%. Os gastos com as compras e celebrações do Réveillon, como viagens, ceia, clubes, saídas a bares ou restaurantes, deverão ser, em média, de R$ 321,57, embora 39% ainda não tenham se decidido sobre quanto vão desembolsar.

Em Resende, a dona de casa Maria Aparecida da Silva, aproveitou a quinta-feira para trocar o presente de Natal por algo na cor do ano novo. “Ouvi dizer que o verde sera o tom de 2020, como o presente que ganhei não serviu vim trocar por outro de tamanho maior e nesta cor. Gosto de usar roupa nova e na cor que expressa o que desejo pra minha vida no ano seguinte. Esperança, sorte e prosperidade no verde”, comenta. Mas há quem não abra mão do tradicional branco na virada. “O branco é a síntese da paz e acho que tudo começa por aí. Tendo paz você conquista as demais coisas que deseja. Todo ano viro assim e não será diferente agora”, opina o industriário Francisco Almeida.

A pesquisa cita que o tom de roupa preferido para a noite de ano novo continua sendo o branco, citado por 37% dos que pretendem comemorar a virada. O azul, que representa tranquilidade e confiança no futuro, será opção de 8% dos entrevistados e o amarelo, que para muitos simboliza dinheiro, é a escolha de outros 6%. “Além de os dias pós-Natal serem um período em que muitos consumidores realizam a troca de presentes, os varejistas têm a chance de aproveitar o momento para gerar novas compras”, afirma a economista Marcela Kawauti. Completam o ranking as cores vermelha, preta, rosa e dourada, cada uma com 3% das menções.

No comércio de Barra Mansa, as lojas exploram vitrines com roupas na principais cores da virada, tendo o branco e o amarelo como destaque. “São as cores mais procuradas sim, sem dúvida. O pessoal pensa na paz e no dinheiro. Eu, particularmente, gosto de virar de rosa, pelo amor. Com esse ritual de roupa nova espero vender em torno de 5% a mais, ainda no ritmo do Natal também com a troca de presentes”, comenta a gerente Gisele Aguilar. A universitária Sueli dos Santos, aposta que o amarelo é infalível, mesclado com tons de branco. “Faz uns sete anos que viro assim, usando roupas nesses tons, alternando camisa, calça, bermuda, sandália. Não curto um cor apenas, acho legal a energia que nós mesmos projetamos vestindo aquela roupa nova e na cor do projeto para o ano novo”, frisa.

VIRADA EM CASA E SIMPATIAS

Assim como o Natal, o Réveillon também tem o apelo familiar. A pesquisa mostra que 87% dos consumidores já definiram onde vão virar o ano e 28% deles estará em casa; 13% planejam viajar, 10% celebrar a ocasião na casa de familiares e outros 10% na igreja. Não bastasse o local e a cor da roupa, a virada mexe também com o oculto, muita gente apela para simpatias no réveillon. Ao menos 32% dos entrevistados fará algum ritual de ano novo em 2020, a maioria para tentar ganhar dinheiro no próximo ano, outros que esperam encontrar ou manter um amor, pagar as dívidas, conseguir um emprego e comprar uma casa. “Meu ritual sagrado é ir pra praia e saltar as sete primeiras ondas do ano novo. Faço isso pensando em dinheiro, prosperidade, progresso”, conta o servidor público Paulo Roberto Chaves.

Para a economista Marcela Kawauti, o novo ano aumenta a expectativa dos brasileiros por tempos mais próspero. “Muitos pedem uma `ajudinha´ para sorte, o que até funciona como uma forma interessante de traçar metas. Mas é importante perceber que, no caso dos objetivos financeiros, a melhor estratégia é sempre fazer um bom planejamento. De nada adianta desejar o fim das dívidas e entrar o ano novo gastando mais do que pode”, finaliza.

error: Conteúdo protegido !