Família de deficiente visual que caiu em buraco cobra ajuda da prefeitura

0

BARRA MANSA

A família de Eliton Márcio da Conceição, 47 anos, que se acidentou no último dia 22, em um buraco aberto por erosões no bairro Jardim Redentor, procurou o A VOZ DA CIDADE para expressar a indignação com a Prefeitura de Barra Mansa. Eliton, que é paciente psiquiátrico e deficiente visual, segue internado na Santa Casa de Misericórdia desde o acidente. Na ocasião, ele sofreu uma fratura no braço e no rosto. Segundo o irmão, Enivaldo da Conceição, de 44 anos, Eliton ainda não operou, pois está com infecções. “Entrei em contato com a assistência social, que disse que não tinha verba para auxiliar meu irmão”, expôs.

Eliton Márcio da Conceição, 47 anos, segue internado – Foto: Arquivo da família

O familiar afirma que irá atrás dos direitos. “Fiquei decepcionado com a prefeitura, fui procurar ajuda e eles disseram que não têm recursos. Os impostos são cobrados direitinho, mas na hora de assumir a responsabilidade de um erro, não há obrigação”, questionou, afirmando que o buraco, que tem cerca de dez metros, estava aberto há anos e apenas depois de ocorrer o pior, a prefeitura colocou uma barreira de segurança no local. “Outras pessoas já caíram nesse buraco, mas meu irmão é deficiente e ele não tem os reflexos bons, então quando ele caiu, ele se machucou demais”, ratificou.

Enivaldo ainda falou que a Santa Casa de Misericórdia tem feito o que pode, e entende o motivo do irmão não poder operar. “Ele precisou de transfusão de sangue, mas não pode receber, por causa da infecção. E pelo mesmo motivo, não pode operar ainda. Sei que estão fazendo o melhor, e agradeço, mas gostaria que a prefeitura custeasse um tratamento para ele”, disse, acrescentando que não houve nenhuma assistência até o momento. “Esse acidente ocorreu por causa de inadimplência, aquele buraco não deveria está daquele jeito”, completou.

O irmão ainda lamentou, relatando que a família está sofrendo com a situação. “Minha mãe tem 63 anos, tem problemas de saúde e para ela é difícil se deslocar para ir ao hospital, ela fica muito preocupada e mesmo assim vai. Tudo o que queremos é que ele fique bem e que essa situação se resolva”, finalizou.

Prefeitura diz está buscando recursos para manutenção do local e que a família está sendo bem atendida

Em resposta, a Subprefeitura da Região Leste informou que antes do acidente foram implantadas, por duas vezes, fitas zebradas isolando o local da erosão para evitar qualquer tipo de acidente, porém elas foram retiradas por populares. Após o acidente uma grade foi provisoriamente implantada, além disso, foram feitas leiras para desvio das águas de chuvas. O órgão ainda explicou que a manutenção depende de recursos externos e o local já foi vistoriado por técnicos do Governo do Estado e que foi encaminhado um relatório ao estado solicitando os recursos.

Já a Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos de Barra Mansa, disse que quando foram notificados sobre o caso, houve uma comunicação entre a Pasta e a assistente social da Santa Casa de Misericórdia, solicitando prioridade no atendimento, porém não foi registrada nenhuma solicitação de transferência para uma unidade particular, sob custeio do município. “Como relatado pelos familiares, o paciente está tendo um bom atendimento na unidade, sendo assim, fica sob responsabilidade da Santa Casa seu tratamento e a recuperação, após a alta, será acompanhada pela Unidade Básica de Saúde, mais próxima de sua residência” ratificou a nota da prefeitura.

A Assistência Social da prefeitura ainda disse que pessoas com deficiências podem ter direitos aos benefícios que o órgão municipal presta a essas pessoas. “Basta fazer o cadastramento no Centro de Referência da Assistência Social (Cras) mais próximo de sua residência. Foi feito um levantamento para saber se o paciente era munido de algum benefício, porém como não foi constatado nenhum cadastro, uma equipe da Pasta será encaminhada para o hospital, na próxima semana, para informar os familiares sobre os benefícios”, concluiu.