Faltando um mês para a Páscoa, lojistas falam das boas expectativas em vendas

0

BARRA MANSA

Com a época mais doce do ano se aproximando, a Páscoa, lojistas preveem vendas superiores ao passado, quando o rendimento foi afetado pelo isolamento social provocado pela Covid-19. Os clientes por sua vez, também já estão preparando os primeiros orçamentos.

O presidente da CDL, Leonardo dos Santos afirma ter otimismo em relação a data. “Temos uma expectativa boa perante ao que estamos vivendo, não dá para comparar ao ano passado quando as lojas estavam fechadas neste período. Dentro deste cenário, acreditamos que o comércio  estará funcionando e trará alívio para o segmento que tanto sofreu no ano passado”, cita.

O gerente de uma grande rede de supermercado, José Jairo de Souza, fala do início das pesquisas de preço e da expectativa de boas vendas. “Sou um vendedor, então, tenho que acreditar que a venda atual sempre vai ser melhor. É difícil avaliar em relação ao ano passado, que foi tão atípico, mas para este ano, projetamos vendas iguais ou maiores entre 3 e 4 %. E com a possível volta do auxílio emergencial, a situação tende a melhorar ainda mais”, avalia.

O proprietário de um mercado, Rodrigo Mota, destaca que no ano passado, com o início da pandemia, as vendas foram baixas e houve prejuízos. “Nós realizamos uma grande compra e tivemos prejuízos, pois os clientes estavam em isolamento social, e com a incerteza da economia, o ovo virou produto supérfluo. Para este ano as expectativas são boas, já estamos percebendo que os clientes estão fazendo pesquisas”, destaca.

O analista de sistemas, Roberto Campanate, é um dos que já iniciaram as pesquisas de preço. “Tenho duas filhas, e como tudo está sempre aumentando, é preciso pesquisar e muito até encontrar promoções ou o preço mais baixo. Mas não deixo de comprar o chocolate delas”, adianta.

De acordo com estudo realizado pelo Instituto Fecomércio RJ, dentre os fluminenses que vão presentear (37,6%) na Páscoa, os itens que devem ser mais procurados são: ovos de chocolate (61,5%), bombons (45,7%) e barras de chocolate (35,6%). Cada consumidor deve gastar, em média, R$ 100, valor que se manteve praticamente estável. Dos que pretendem presentear, 36,3% irão dar mais de uma opção.

E OS PREÇOS?

Neste ano o preço dos ovos está mais alto, em média de 4% a 5% comparado com ano passado. Em alguns casos, chegam a custar 10% mais. Isso por conta do dólar, já que o cacau é uma commodity, um produto cujo preço é cotado no mercado internacional na moeda americana.

 

 

error: Conteúdo protegido !