Dia das Crianças supera expectativas de vendas

0

BARRA MANSA

O Dia das Crianças, que ocorreu no dia 12, movimentou a economia mais do que o esperado. Em comparação ao ano passado, onde apenas 66% compraram presentes na data, neste ano 74% dos consumidores presentearam os pequenos, o que gerou um aumento de 8% nas vendas. Segundo explicou o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), Xisto Vieira Neto, as vendas foram balanceadas entre brinquedos, roupas e calçados. Ele contou ainda que no dia 12, sábado, muitas lojas funcionaram, o que foi um ponto positivo.

O presidente da CDL afirmou o resultado foi maior que o esperado. “Com a economia travada, nós esperávamos que, no máximo, o percentual de vendas se igualaria ao do ano passado”, ratificou, completando que esses números são um termômetro para as vendas de fim de ano. “Precisamos movimentar o comércio, e esses números trazem boas expectativas e otimismo para as vendas de Natal”, contou.

Xisto ainda acrescentou a importância dos lojistas estarem empenhados em se atualizar com os novos formatos de vendas. “Investir em rede social, no treinamento da equipe, entre outras coisas, é muito importante para a empresa não ficar para trás e alavancar a economia”, explicou.

De acordo com dono deu uma magazine no Centro de Barra Mansa, o Paulo Sergio Ávila, uma das razões para as vendas terem crescido foi o Domingo de Compras, realizado um fim de semana antes da data festiva. “Isso fortaleceu muito o mês de outubro. Se a gente não tivesse feito esse domingo, nós teríamos ficado com o percentual abaixo do ano passado”, disse, completando que a loja também funcionou no feriado. “Tenho o contato com os lojistas da cidade, nós conversamos e a maioria abriu no dia 12, e isso foi bom para todo mundo”, comemorou.

Semana de trocas

Esta semana as lojas ainda registrarão movimentos com os consumidores que desejam realizar a troca dos produtos, o que é comum após datas festivas.  Segundo o gerente do Procon, Felipe Fonseca, a troca dos produtos é obrigatória apenas se o produto apresentar algum defeito, no entanto, as lojas fazem os acordos com o cliente, para realização de trocas, como por exemplo, no caso do tamanho não ser o ideal. Felipe ainda explicou que quando o produto não é comprado fisicamente, como por exemplo, pela internet, telefone ou catálogo, é obrigação da loja oferecer sete dias para a troca.

O lojista Paulo Sergio ainda falou sobre a política de trocas da sua loja. “Aqui nós colocamos um prazo maior para a compra de sete a dez dias, para não dar tumulto. Às vezes a pessoa ganha o mesmo brinquedo, e nós não vemos problemas em trocar, desde que o produto esteja direitinho e com a nota fiscal. Estamos aqui para servir, não para ser servido”, concluiu.

Deixe uma resposta

error: Conteúdo protegido !