Cartão de crédito é alternativa para pagamento das compras de Natal 

0

SUL FLUMINENSE

Com a expectativa de aumento nas vendas de Natal em torno de 4,5% perante o ano passado, segundo projeção da Fecomércio, o período é propício para novos meios de pagamento do consumidor utilizando o sistema eletrônico. O serviço é amplamente explorado por quem visa ganhar dinheiro extra, investindo na oferta de produtos e serviços ou mesmo na abertura de um negócio.

Levantamento do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) mostra que aquelas que oferecem ao cliente a possibilidade de pagar com cartão têm desempenho melhor em termos de vendas, atingindo 57% de eficiência e de 55% de faturamento em comparação com aquelas que ainda não trabalham com esse meio de pagamento. No caso do e-commerce, 80% das transações são feitas com esse meio de pagamento, segundo pesquisa DataFolha para a Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs).

Segundo a Associação de Gestão de Pagamentos Eletrônicos, o mercado de meios de pagamento já se deu conta do potencial desse segmento e passou a oferecer inúmeros produtos e serviços para Microempresas e Empresas de Pequeno Porte que, segundo o Sebrae, representam cerca de 98,5% do total de empresas privadas do Brasil, respondendo por 27% do PIB e por 54% do total de empregos formais existentes no país. “Para quem está começando a vender ou tem volume pequeno de vendas, a melhor opção é a máquina que se conecta ao celular, que é mais barata”, explica Rudy Consoli Mateus, gerente de marketing da PagPop, uma das empresas conveniadas na Associação de Gestão de Pagamentos Eletrônicos.  “Com ela, a pessoa não perde vendas para clientes que não têm dinheiro ou talão de cheque à mão. Em relação ao cheque, ela tem ainda a vantagem da garantia do pagamento”, completa.  Dados do Banco Central mostram que o volume de cheques devolvidos entre junho de 2017 e junho de 2018 alcançou a cifra de R$ 24 bilhões.

CUSTOS

A opção por um terminal de cartões deve levar em conta o impacto dos custos, que incluem a conexão de internet. Se a expectativa de volume de compras com cartão compensar, chega a hora de escolher a marca. Rudy, recomenda verificar a variedade de bandeiras que a máquina aceita e as taxas de transação.  Com a crescente competição entre as maquininhas, empreendedores já estabelecidos podem optar por trabalhar com mais de uma marca para optar pelo melhor momento de usar cada uma, de acordo com taxas, condições de parcelamento para os consumidores e prazos de pagamento.

error: Conteúdo protegido !