UM DIA COM O CANDIDATO – “A saúde básica foi abandonada em Resende”, disse Silvio de Carvalho

0

RESENDE

O candidato a prefeito, Silvio de Carvalho (PDT), acompanhado do seu vice-prefeito, major Alcindo Grassi, teve uma agenda cheia nesta quarta-feira, dia 28. No período da manhã, os candidatos da coligação “Por uma Resende Acolhedora e Sem Preconceitos”, formada pelos partidos PV, MDB, Patriota, PRTB, Cidadania, PSB, PP e PDT, caminharam pelas principais ruas do bairro Paraíso. Em seguida Silvio e major Alcindo estiveram no distrito de Bulhões. Logo após, caminharam pelo comércio do bairro Cidade Alegria, considerado o maior conjunto habitacional do município, e do Campos Elíseos, considerado o principal Centro Comercial da cidade. Já no início da noite, o candidato participou da Live da Voz – Eleições 2020. Por último, Silvio e Major Grassi terminaram a noite se reunindo com funcionários públicos, onde comemoraram o Dia dos Servidores.

Foto: Fábio Guimas

Durante a caminhada no bairro Paraíso, Silvio foi recebido pelos moradores que recordaram da inauguração da Policlínica, construída por ele quando foi prefeito em 2006. Carvalho aproveitou para falar de seus projetos na área da saúde. O candidato disse que tem planos para a saúde primária, secundária e de alta complexidade no município. “A saúde básica foi abandonada em Resende. A gente conseguiu no nosso governo cobrir 80% da população com o Programa de Saúde da Família (PSF) e ainda inserir atendimentos diversificados como acupuntura, homeopatia, além de fisioterapia e tratamento das pessoas em casa. Os medicamentos eram levados em casa. Trouxemos duas farmácias populares com remédios a R$1. A gente precisa revolucionar de novo a área da saúde”, disse Silvio acrescentando que Resende fez uma opção pela saúde curativa.

“Pegaram a Santa Casa, passaram de R$5 milhões para R$15 milhões o convênio e não triplicaram o atendimento. Este governo está transferindo mais da metade do recurso do SUS para a iniciativa privada. Quer dizer, estão enriquecendo os laboratórios, médicos particulares, clínicas e deixando de atender as pessoas no bairro. Estão deixando as pessoas ficarem doentes para depois curá-las. Isso é muito mais caro. Temos que acelerar a fila dos exames e de operações eletivas. Médicos nos bairros demora quatro meses para um atendimento clínico. Tem mamografia que demora dois anos. Não podemos deixar isso acontecer”, rebateu Carvalho.

Foto: Fábio Guimas

Por sinal, para melhorar o atendimento na saúde, Silvio tem projeto para implantar um Centro de Tratamento Oncológico no município. Ele disse que criará uma Clínica de Câncer, com tratamento especializado. O candidato lembrou que só em Volta Redonda há uma fila 1,8 mil pessoas, uma em Barra Mansa e outra no Rio de Janeiro. “A gente estima que cinco mil pessoas sofrem de câncer em Resende. Temos que ter um atendimento em nossa cidade para estas pessoas não precisarem mais se deslocarem para outros municípios”, explicou Carvalho, que também quer implantar o Hospital dos Olhos.

DESEMPREGO

Outro ponto falado durante as caminhadas nos bairros foi o desemprego. Silvio disse estar preocupado com o fim do auxílio emergencial dado pelo Governo Federal durante a pandemia do novo coronavírus (Covid-19). “Nós vamos passar um momento de desespero em dezembro quando acabar o auxílio emergencial. Temos 67milhões de brasileiros e R$32 bilhões gastos com Estados. Precisamos gerar emprego rápido. Na prefeitura a nossa ideia é cortar metade das secretarias e dos cargos comissionados. Vamos abrir subprefeitura nos bairros e contratar trabalhadores ganhando um ou dois salários. Desta forma vamos gerar empregos e fazer a manutenção dos bairros de Resende que estão abandonados”, afirmou o candidato que também pretende buscar outras cadeias econômicas para o município.

Foto: Fábio Guimas

Ele cita que é preciso fechar o cinturão de fornecedores ao redor da indústria, mas aponta ser necessário criar novas variações de cadeiras econômicas na cidade, o que pode ser com empresas de tecnologia. “Temos que diversificar a indústria em nossa cidade. A gente está concentrando toda a nossa economia no polo metalomecânico. Quando há uma crise neste internacional neste mercado, o desemprego na cidade é muito alto e rápido”, afirmou.

O comércio também é outra área que Silvio e o major Grassi pretendem buscar emprego. “Precisamos ajudar o comércio que é o maior empregador do Brasil. Vamos criar Centro de Integração de Transporte de passageiros na rodoviária do Centro. O passageiro paga uma tarifa e desce no Centro. Vamos concentrar no Centro antigo da cidade quase um milhão de passageiros por mês. Isso vai aquecer o comércio do Centro da cidade, da Praça Oliveira Botelho e de Campos Elíseos. Além disso, pretendo criar áreas de estacionamentos públicos. Hoje, o grande problema do comércio é local para estacionamento de veículos. Se a gente conseguir fazer em áreas públicas estacionamento muito barato, a gente ajuda o comércio a vender”, explica.

Foto: Fábio Guimas

PROGRAMAS PRIMEIRO E ÚLTIMO EMPREGO

Silvio de Carvalho disse que vai implantar os Programas Primeiro e Segundo Emprego no município. No Programa Primeiro emprego, o candidato quer fazer convênio com universidades da região Sul Fluminense para abrir vagas de trainne e estágios em todas as áreas da administração municipal. “Em todas as áreas da prefeitura a gente vai abrir vagas de estágio. Para isso vamos diminuir os cargos comissionados como eu fiz quando fui prefeito. Metade destes cargos comissionados vai ser ocupada por servidores de carreira e de estagiários”, contou o candidato.

Já o Programa Último Emprego vai contratar pessoas que estão na reta final para a aposentadoria. Silvio esclareceu que a máquina pública será usada para as pessoas que faltam apenas quatro anos para se aposentarem. A proposta, segundo ele, é dar oportunidade a essas pessoas se aposentarem, com valor justo.

CASAS POPULARES

A construção de moradias populares também está na plataforma de governo de Silvio de Carvalho. Ele quer criar o programa Cidade da Felicidade. “Eu e meu pai, Noel de Carvalho temos uma tradição de construir casas populares. Construímos duas mil casas, reformei apartamentos na Cidade Alegria e regularizamos títulos fundiários de mais de 500 propriedades. Fomos o governo que mais investiu em moradias. Com este projeto Cidade da Felicidade quero construir três mil moradias com baixo custo para as pessoas que necessitam e isso é possível”, contou o candidato que pretende buscar recursos junto aos Governos Feral e Estadual.