Tenente-coronel do 10° BPM grava vídeo pedindo ajuda para achar assassinos de PM

0

BARRA DO PIRAÍ

Na noite de ontem, o 10° Batalhão da Polícia Militar divulgou um vídeo em que seu comandante, tenente-coronel Marcelo Teixeira, pede ajuda da população para encontrar os assassinos do policial militar Deivid Ribeiro Silva, de 38 anos. Ele foi morto na noite de segunda-feira, dia 24, em Barra do Piraí, durante uma apuração policial em combate ao tráfico de drogas. Os agentes do 10° Batalhão da Polícia Militar foram surpreendidos por traficantes no bairro Areal a tiros. Outros dois PMs foram atingidos na ocasião e material do tráfico foi apreendido. Ninguém foi preso.

“Minha mensagem é para você, cidadão de bem, morador de Barra do Piraí. Conto com você, nessa ação violenta, que nos privou do convívio do nosso soldado. Precisamos achar os culpados. Se tiveram informações, liguem para o 190”, pediu.

ENTERRO

Foi enterrado ontem, no Cemitério Portal da Saudade, em Volta Redonda, o corpo do policial militar, soldado Silva. Ele chegou a ser socorrido e encaminhado para a Santa Casa de Misericórdia com os outros policiais, mas ele não resistiu aos ferimentos. Seus companheiros de farda também receberam atendimento médico e depois foram liberados.

O soldado era casado, morava em Valença e estava na corporação desde 2013 e era lotado na 1° Companhia (Barra do Piraí). “Nós da família Policial Militar estamos enlutados, unidos em oração e consternados com a perda de mais um irmão de farda!”, disse o 10° BPM por meio de sua equipe de comunicação.

O comando do 10° BPM pede que a população ajude a localizar os criminosos. Quem tiver qualquer informação pode comunicar no (24) 24432544 ou no 190.

O CASO

De acordo com informações do 10° BPM, os PMs seguiram para o bairro após informações de tráfico de drogas e ao chegarem na Rua da Paz, localizaram a casa informada pelo denunciante, sendo a mesma ao lado de um barranco. Os agentes observaram o local e perceberam vozes no imóvel, anunciando que a polícia estava na porta e que todos deveriam sair.

“Quando os policiais se anunciaram, alguém respondeu lá de dentro: Isso é hora, doutor? Temos criança aqui!”, revelou a PM em registro de ocorrência na 88ª Delegacia de Polícia.

Em seguida, um dos policiais percebeu a porta da casa entreaberta e a emperrou levemente. Neste instante, foram efetuados os disparos de arma de fogo, vários recebidos em ‘rajadas’ em face da guarnição.Os cabos Santos e Reis foram atingidos nos coletes balísticos e o soldado Silva, levou um tiro na cabeça. Houve revide da por parte da guarnição afim de cessar a agressão.

Os criminosos correram dos policiais, mas mesmo assim continuaram efetuando disparos, conseguindo empreender fuga. Os demais agentes prestaram auxilio aos PMs feridos, fazendo contato com o 190 solicitando reforço e uma ambulância de emergência. Eles foram socorridos por uma equipe do Corpo de Bombeiros.

Em seguida, foram apreendidos no imóvel e ao redor, 50 cartuchos deflagrados calibre indeterminado, 11 cartuchos intactos 9mm, três fragmentos de metal calibre indeterminado, um telefone Sansung, quatro folhas de nota fiscal, dois comprovantes depósitos bancário, 30 pedaços de papel com anotações, um bilhete de passagem de ônibus, uma mochila, 41 unidades de rolo plástico, um cinto tático e uma balaclava.

O caso foi registrado na 88ª Delegacia de Polícia e até o fechamento desta edição ninguém havia sido preso.

SEGUNDO PM MORTO

Na região Sul Fluminense, é o segundo caso de um policial militar morto nas últimas duas semanas. No dia 14, soldado PM Heber de Oliveira, 37 anos, conhecido como Hebinho, foi morto em Resende. Ele foi morto a tiros por volta das 9h30min quando estava sentado diante de uma loja de reparos em celulares, pertencente a um familiar dele, na Rua Inácio Lopes Siqueira, no bairro Baixada da Olaria. Seis pessoas foram detidas no dia seguinte, todas suspeitas do assassinato, e encaminhadas para a 89ª Delegacia de Polícia.

Ele estava na Policia Militar desde 2014 e era lotado na 1ª Unidade de Polícia Pacificadora do 23º BPM/Vidigal. O militar era casado e não deixa filhos.