Temporal alaga ruas e causa transtornos nas Agulhas Negras

0

AGULHAS NEGRAS

Novamente as chuvas com alta intensidade provocaram transtornos no Rio de Janeiro e no interior não foi diferente. Na noite desta quarta-feira, dia 21, as chuvas alagaram diversas vias, principalmente em Resende e Porto Real. Em Itatiaia e Quatis o temporal não provocou alagamentos gerando chamados da Defesa Civil, segundo informaram os governos locais.

Em Resende a precipitação teve início por volta das 19h30min e registrou fortes ventos o que provocou queda de energia em alguns trechos do município. Na zona urbana, a Defesa Civil comunicou o registro de altos índices pluviométricos o que gerou alagamento de vias durante o ápice do temporal, que durou cerca de 15 minutos.
Retenção de águas das chuvas na Rua Sarquis José Sarquis, no Jardim Jalisco – Foto: Redes Sociais

De acordo com o coordenador de Defesa Civil, Atanagildo de Oliveira, os pontos de alagamento foram nos bairros Jardim Jalisco, Manejo, Vila Julieta, Grande Alegria, Fazenda da Barra II, Paraíso e Jardim do Sol. Nestes locais, as águas das chuvas encontram dificuldade de vazão. “Na região da Grande Alegria registramos chuva com 39 milímetros de índice pluviométrico. Na Vila Julieta (Alvorada) 38 milímetros; no Paraíso 19 milímetros e na Fazenda da Barra II a chuva também teve 38 milímetros. Nós tínhamos a previsão da chegada de frente fria com chuvas entre 100 mm e 110 mm de quarta até esta sexta-feira. Porém, apenas na quarta-feira tivemos em média, 38 mm, em cerca de 15 minutos. Avalio como se fosse a chamada cabeça d’água. Por isso, houve pontos de retenção em volume muito grande e a rede pluvial urbana não teve força pra desaguar rápido, até porque o nível do Rio Paraíba do Sul também aumenta durante as chuvas, o que dificulta a vazão”, explica Atanagildo, observando que a previsão do clima é de mais chuvas. “Logo que a chuva forte passa, a situação se normaliza. Alguns trechos como na Avenida Coronel Mendes (imediações do Posto de Saúde), no Manejo, e ainda na Avenida Governador Portela (Vila Julieta), o escoamento é mais lento pela característica do terreno. Em toda a cidade não houve registro de queda de árvores, muros ou encostas. Moradores de condomínios na Morada da Barra registraram água no interior de seus imóveis, também pela retenção das chuvas na rua. Uma equipe da Defesa Civil e Assistência Social foi designada para o local e não há registro de desalojados ou desabrigados”, argumenta o coordenador.

ALERTA

A situação é de alerta em Resende. Segundo a Defesa Civil, a previsão é que o sistema de baixa pressão atrelado à frente fria provoque temporais com raios e rajadas moderadas de vento. “O esperado para os próximos dois dias (22 e 23) é de chuvas para Resende variando entre 30 e 45 milímetros de índice pluviométrico. Torcemos para que sejam chuvas espaçadas, não caiam forte e em curto período”, projeta o diretor de Defesa Civil.

O órgão orienta durante a tempestade, se estiver em casa, não utilizar equipamentos ligados à rede elétrica. Em caso de raios, é importe que os pedestres procurem um lugar seguro, não permanecendo em áreas abertas e debaixo de árvores isoladas. Em situação de emergência, acionar a Defesa Civil através do telefone emergencial: 199.

Situação alarmante nas imediações de um supermercado, no Manejo – Foto: Redes Sociais

 FAMÍLIAS ATINGIDAS PELAS CHUVAS EM RESENDE

Na noite de quarta-feira, dia 21, quatro famílias do bairro Campo Belo foram atendidas pela equipe de plantão de calamidades da Secretaria Municipal de Assistência Social de Resende, juntamente com a Defesa Civil. As intensas chuvas foram responsáveis por pontos de alagamentos, quedas de árvores e corte de energia em bairros da cidade.

O atendimento feito pela Prefeitura ocorreu prontamente, ainda sob chuva, por volta das 21h30. A equipe visitou as famílias afetadas e constatou as necessidades dos moradores. As famílias receberam um ticket referente a uma quantia para a compra de suprimentos de alimentação, além de um kit com materiais de limpeza.

Já na manhã desta quinta feira, 22, uma equipe do CRAS se dirigiu ao bairro Morada da Barra para dar continuidade à assistência prestada pelo Plantão Social a outras quatro famílias.

De acordo com a Assistência Social, além do suporte prestado aos moradores, também foi realizada a reposição dos kits para auxílio emergencial. “Em todas as casas visitadas, vimos a necessidade de suporte alimentar e também de material de limpeza, devido à quantidade lama gerada pela chuva. Também prestamos orientação aqueles que perderam seus documentos sobre como retirar segunda via”, explica a secretária Jessica Pavone.

 

RETENÇÃO EM PORTO REAL

Em Porto Real moradores relataram queda de energia momentânea e vias com retenção de vazão. Segundo a Defesa Civil local, o registro de volume pluviométrico foi de 50 milímetros. “Em Porto Real, a Defesa Civil registrou acumulado de 50 milímetros de chuva e identificou três pontos de alagamentos, sendo dois no bairro Novo Horizonte e um no bairro Parque Mariana”, informou a Assessoria de Comunicação da Prefeitura, frisando que uma nota oficial será remetida à imprensa sobre o assunto.

LIMPEZA E CANALIZAÇÃO EM QUATIS

Em Quatis, o temporal desta quarta-feira não provocou incidente. Porém, o governo local promove ações preventivas a partir do alagamento de vias e imóveis, registrado após as chuvas de domingo, dia 20. Naquela data, o córrego do Jardim Pollastri subiu um metro. Nesta quinta, o governo anunciou a limpeza do córrego e sua futura canalização.

Os atuais serviços de roçada, retirada de lixo e remoção de entulho no leito do córrego estão sendo realizadas por meio de uma ação coordenada entre a Defesa Civil do Município e a Secretaria Municipal de Obras, Urbanismo e Serviços Públicos. A prefeitura também abriu processo visando contratar uma empresa que ficará responsável pelas obras de manilhamento de um trecho de 80 metros do córrego pelo Jardim Pollastri.
O córrego no Jardim Pollastri transbordou domingo, provocando transtornos – Foto: Divulgação PMQ

Com 500 metros de extensão, o córrego começa no bairro Bondarowsky, desce sob uma ponte na Avenida Euclides Guimarães Cotia, principal via de acesso ao Centro da cidade e desemboca no Ribeirão dos Quatis, no bairro Barrinha. As manilhas foram cedidas à administração municipal pelo DER-RJ. As obras começam ainda neste semestre.

 

error: Conteúdo protegido !