Que sexta-feira, 13: Albertassi retornará para a prisão

0

VOLTA REDONDA/ESTADO

Muitas pessoas têm pavor da sexta-feira, 13. Para Edson Albertassi, o dia começou bem, mas terminou com uma maré de azar. O ex-deputado de volta-redondense, preso há dois anos, foi contemplado hoje com um alvará de soltura. Mas segundo informações do Tribunal Regional Federal da 2ª Região, durante a tarde, terá que voltar ao presídio de Bangu 8. Ele e o ex-deputado Paulo Melo, que também tinha sido beneficiado. Isso porque, o TRF2 informou que cometeu um erro ao emitir o alvará de soltura e trocou os números dos processos aos quais eles respondem.

Para solucionar o equívoco, o desembargador federal Paulo Espírito Santo, no fim da tarde desta sexta-feira , determinou a expedição de alvarás retificados e ordenou o restabelecimento das prisões na Operação Cadeia Velha. Até esta publicação, Albertassi, que seguiu para Volta Redonda, não tinha sido preso novamente. Segundo um de seus advogados, não houve ainda uma notificação e, quando isso acontecer, ele se apresentará, mas acredita-se que ele passará o final de semana em Volta Redonda.

No início dessa semana, o TRF2 concedeu um habeas corpus a Albertassi, Paulo Melo e Jorge Picciani, esse último preso em casa por motivos de saúde, no âmbito da Operação Furna da Onça, um dos processos que são acusados. Mas não poderiam deixar a prisão porque ainda cumpriam prisão preventiva relativa a outra operação, a Cadeia Velha.

Segundo o TRF2, ao emitir o alvará de decisão da Furna da Onça, incluiu de forma indevida o número do processo da Cadeia Velha, o que daria a entender que tinham estendido a decisão de soltura para as duas operações.

A defesa de Albertassi informou que entrará com outro pedido de habeas corpus, desta vez relativo à Operação Cadeia Velha.

Acusações

Edson Albertassi é citado em duas operações – Cadeia Velha e Furna da Onça, por corrupção e organização criminosa. Nesse ano, em março, ele, Paulo Melo e Jorge Picciani, ex-deputados presos também na Cadeia Velha, foram condenados pelo TRF2. A pena de Albertassi foi de 13 anos e quatro meses. A decisão cabe recurso. Não há condenação ainda no processo da Operação Furna da Onça.

Albertassi, segundo um dos seus advogados, disse que tem confiança em Deus de que conseguirá provar sua inocência.

A operação Cadeia Velha ocorreu em novembro de 2017, apurou pagamentos de propina pela Fetranspor e teve Picciani, Albertassi e Paulo Melo como alvos. A Furna da Onça expandiu as investigações da Cadeia Velha, aconteceu um ano depois e levou outros sete deputados para a prisão.

SEMIABERTO

Paulo Melo seguirá para uma unidade que será definida pela Secretaria de Administração Penitenciária (SEAP), onde cumprirá o regime semiaberto, ao qual teve direito no início da semana. Questionado se Edson Albertasi também poderia entrar no regime semiaberto, um dos advogados informou que o mesmo já tem tempo progressivo para usufruir da medida, aguardando apenas autorização judicial. “Ele trabalha no presídio, faz faculdade”, disse.

Deixe uma resposta

error: Conteúdo protegido !