Projeto Doe Sangue, Salve Vidas está funcionando no município  

1

RIO CLARO

Em 2017, a Câmara de Vereadores aprovou um requerimento de autoria de Klessio Alves Pery (MDB) pedindo a implantação do projeto Doe Sangue, Salve Vidas na cidade. O projeto foi implantado neste ano e cria uma parceria entre as prefeituras de Rio Claro e Angra dos Reis.  O vereador comemorou a iniciativa, contando que na época da elaboração do requerimento usou sua própria experiência como enfermeiro no Hospital Nossa Senhora da Piedade, de 2009 a 2016.

Ele contou que foram inúmeras as vezes em que presenciou pacientes necessitando de sangue e ao realizar contatos com o hemonúcleo de referência sempre constatava a falta do produto em estoque. “Tendo em vista o transtorno emocional dos familiares de pacientes e até mesmo dos profissionais que queriam salvar vidas, partimos para a criação de um cadastro tornando mais fácil o acesso de possíveis doadores”, disse o vereador, destacando a importância da aquiescência do prefeito José Osmar e dos funcionários da área de saúde para a realização do projeto.

Agora, com o projeto implementado, caberá ao Hemocentro de Angra dos Reis a responsabilidade por todo o processo de trabalho por meio de capacitação e treinamento dos profissionais envolvidos, fornecimento de equipamentos e insumos, processamento das bolsas coletadas e distribuição para os hospitais. Já a Prefeitura de Rio Claro criará um banco de dados para captação de doadores de sangue, com o objetivo de atender as campanhas emergenciais e reposição de estoque, já que o Hemonúcleo de Angra dos Reis funciona como serviço de referência para o hospital de Rio Claro.

Caberá ainda a Prefeitura de Rio Claro a viabilização do transporte público, divulgação e mobilização da população para garantir o número necessário para que o serviço oferecido seja viável.

DOADORES

Segundo a Coordenadora de Enfermagem do Hospital Nossa Senhora da Piedade, Ana Paula Lopes Miguel, apenas 1,9% da população é doadora de sangue no Brasil. Mesmo que esse porcentual esteja dentro dos parâmetros da Organização Mundial de Saúde (OMS), o Ministério da Saúde considera que é urgente e possível aumentar o número de doadores. “Assim sendo, se cada cidadão doasse pelo menos duas vezes ao ano, não faltaria sangue para transfusão em nossa região”, destaca a enfermeira Ana Paula.

Segundo a Assistente Social Heraika Vargas, do Hospital Nossa Senhora da Piedade em Rio Claro, será disponibilizado uma vez por mês, o transporte para ida ao Hemonúcleo de Angra dos Reis, localizado no Hospital Geral da Japuíba. Mas segundo ela, se a demanda de voluntários aumentar o transporte poderá ser realizado duas vezes ao mês.

 

 

1 comentário

Deixe uma resposta para Elzy Dias Cancelar resposta

error: Conteúdo protegido !