Preço dos itens da cesta de natal tem alta variação e consumidor deve pesquisar

0

SUL FLUMINENSE

Passar o Natal com toda a família, realizando a ceia diante de uma mesa farta e saborosa. Este é o cenário ideal para a grande maioria das donas de casa na organização da confraternização de Natal para a noite da próxima segunda-feira, dia 24. Mas, o desejo nem sempre pode ser realizado diante da situação dos preços dos produtos que compõem a cesta de Natal. Neste fim de semana, os supermercados tendem a ficar lotados de consumidores em busca dos melhores produtos e claro, ofertas. E será bom pesquisar mesmo, pois a reportagem do A VOZ DA CIDADE percorreu alguns estabelecimentos ao longo da semana e constatou que os preços têm alta variação em diversos setores como frutas, carnes e vinhos. A cebola e a batata, muito utilizadas na elaboração dos pratos de Natal sofreram alta de 31,1% no estado, segundo dados Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

A dica é garantir produtos de boa qualidade, porém de marca com pouco apelo na mídia. Os produtos de fabricantes renomados são os mais caros e os de outras marcas podem garantir satisfação semelhante. Para efeito de comparação, uma ceia de natal completa com ameixas sem caroço; amêndoas sem casca; avelãs sem casca; azeite português 500 ml; azeitonas verdes com caroço; biscoitos champagne 150g; castanhas de caju; castanhas portuguesas; cerejas em calda; damascos; figos secos; nozes sem casca; panetone Visconti 400g; passas pretas sem caroço; pêssegos em calda 425g; castanhas-do-pará; espumante importado 750 ml; lombo de bacalhau do porto 2 kg; queijo do reino; tâmaras e vinho tinto português tem valor em torno de R$ 1,4 mil. Isso sem a inclusão das carnes típicas de Natal como chester, tender, pernil e peru o que pode elevar a conta para faixa de R$ 2 mil. Levando em conta os costumes de cada família, seria possível agregar ainda outras bebidas como refrigerantes, cerveja e sobremesas o que eleva ainda mais a conta no supermercado.

PRODUTOS

Os mesmos itens analisados em outros supermercados, sem as carnes e bebidas distintas, podem ser garantidos com R$ 1,2 mil. Portanto, a dica é ter paciência e pesquisar preços. “Eu gosto de fazer as compras antes da semana de Natal, apesar de que nos dias mais próximos renovam os produtos e fazem promoções relâmpagos. Comprei as carnes: dois perus e um chester, gastei R$ 189,90. Ainda não criei coragem para ver avelãs, nozes, uvas, vinhos e o bacalhau. Esta tudo muito caro, vou levar o que o dinheiro permitir porque ainda é preciso que sobre algum para os presentes”, comenta a dona de casa Elizete Nogueira, 49. Ela percorreu cinco supermercados e optou pelas compras alternadas, levando um pouco de cada local, priorizando aqueles situados em bairros de periferia. “São os que têm preço mais em conta, apesar da pouca oferta de produtos de marca conhecida. Fazer a compra fechada num local somente fica caro demais, tem que pegar o que está em promoção em cada mercado”, conta a auxiliar de escritório Marlise Costa, 32.

Os vinhos e espumantes também fazem parte da ceia de Natal e possuem preços distintos nos supermercados

Para quem busca realizar uma ceia com apenas os produtos mais acessíveis, os valores baixam significativamente. Uma cesta de Natal com peru, chester, bacalhau, panetone, vinho e frutas, tem valores em torno de R$ 300.  A reportagem encontrou o chester e o peru, congelados, ambos da marca Perdigão, à venda com valor médio de R$ 13,98, o quilo. Com peso em torno de 3 kg a 4,5kg o valor final pode chegar à faixa dos R$ 60. O quilo do bacalhau sai mais em conta com ele desfiado, média de R$ 23, o pacote de 500g, sendo inteiro, o quilo é vendido na faixa de R$ 69,90. Por outro lado, o peixe Saithe tipo bacalhau pode satisfazer os menos exigentes e o preço ajuda: média de R$ 29,90 o quilo. Para quem gosta de carne suína, o pernil sem osso é vendido a R$ 15, 59 o quilo.

Na seção de frutas, o consumidor pode compor sua ceia inserindo as frutas da estação, que são as com preço mais em conta: abacaxi, banana prata, laranja, limão, mamão, manga, maracujá, melancia, melão, tangerina e o pêssego. Em média, o abacaxi é vendido a partir de R$ 5,90 a unidade, já o quilo do pêssego nacional está na faixa de é encontrado a R$ 11, o quilo. Entre as oleaginosas, o quilo da castanha está na faixa de R$ 39,90, já as amêndoas e castanha-do-pará, tem o quilo em torno de R$ 29,90.

PESQUISA

Um levantamento realizado pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas e pelo Serviço de Proteção ao Crédito aponta um aumento de 45% na intenção de gastos, já descontados os efeitos da inflação, na comparação com 2017, que foi de R$ R$ 136,52. O consumidor deve desembolsar, em média, R$ 207,27 com os preparativos da ceia ou almoço de Natal. No entanto, 39% ainda não decidiram quanto vão gastar.