Prato colorido além de saudável é auxílio ao combate de doenças

0

BARRA MANSA

Hipócrates, filósofo grego e conhecido como ‘pai da medicina’, já afirmou: “Que seu remédio seja seu alimento e que seu alimento seja seu remédio”. Atualmente, as pesquisas já demonstram que os alimentos naturais e não processados têm propriedades preventivas e curativas. Ou seja, alguns deles, se ingeridos na quantidade e maneira corretas, são verdadeiros aliados para a saúde.

Coloridos, saborosos e bonitos, verduras, legumes e frutas são capazes de nutrir e melhorar as funções do corpo, fortalecer o organismo e ainda proteger contra diversas doenças. Uma das recomendações de médicos e nutricionistas é montar um prato colorido e diversificado, isso porque a variedade de nutrientes contribui para evitar a deficiência de vitaminas e minerais.

De acordo com a nutricionista esportiva e personal trainer, Aline Andrade, as cores dos alimentos representam os benefícios que eles trazem ao organismo. “A clorofila e o betacaroteno são os fitoquímicos mais conhecidos. O primeiro está presente nos alimentos verdes, como espinafre, couve e abacate, e é conhecido por fortalecer os mecanismos de defesa Já o segundo se encontra nos alimentos amarelos ou laranjas, como no caso da cenoura, ele ganhou fama por ajudar a manter o bronzeado da pele”, destaca.

As antocianinas, carotenoides dentre outros são compostos antioxidantes, que fazem bem a saúde e são responsáveis por fornecer cor, aroma e sabor aos alimentos.

Um prato ideal deve conter no mínimo três cores diferentes para fornecer todos os nutrientes necessários. Priorizar alimentos crus e recém-preparados também é fundamental para evitar que eles percam suas propriedades.

Para aqueles que têm dificuldades em conseguir manter uma refeição diversificada, a dica é começar aos poucos, adicionando uma cor de cada vez, como uma salada crua ou um vegetal cozido, ou ainda misturar o alimento em outras preparações, como um suflê de legumes, por exemplo.

As cores

Aline destaca a importância se montar um prato bem colorido:

Alimentos vermelhos: tomate, melancia, pimentão vermelho, beterraba, cereja, romã. “Nos alimentos vermelhos outro tipo de carotenoide pode ser encontrado, o licopeno, e também ácido elágico, quercitina e heperidina. Essas substâncias têm características antioxidantes e estão relacionadas com a saúde de tecidos, como de mama e próstata”.

Alimentos alaranjados e amarelos: Cenoura, abóbora, pimentão amarelo, manga, laranja. “Esses alimentos contém uma substância chamada β-caroteno, que quando consumido é transformado em vitamina A pelo nosso organismo. Zeaxantina, flavonoides e licopeno também fazem parte da composição desses alimentos. Esses nutrientes têm papel no sistema imunológico, ajuda a regular o crescimento e divisão celular, além de ter papel importante na visão”.

Alimentos verdes: Brócolis, ervilha, espinafre, couve, abacate,kiwi. “Os alimentos verdes também contêm β-caroteno, luteína e zeaxantina, além de potássio, folato, vitamina A, E e C. Esses nutrientes estão associados com a saúde dos olhos e com a redução do risco de degeneração macular”.

Alimentos roxos e marrons: Mirtilo, figo, ameixa, uva roxa, cacau. “São alimentos fonte de flavonoides, como antocianinas e quercetina, bem como carotenoides como luteína e zeaxantina. Os polifenóis também estão presentes, como o ácido elágico e o resveratrol. Esses compostos contribuem para a manutenção da função cerebral adequada e do fluxo sanguíneo, além de serem antioxidantes”.

Alimentos brancos: Couve-flor, cogumelo, cebola, nabo, pêssego. “Frutas e legumes brancos contêm fitoquímicos e o cogumelo possui fitoquímicos e β-glicanos. Essas substâncias são responsáveis principalmente por modular o sistema imunológico”.

Prevenção contra câncer

Para Daniel Gimenes, oncologista do Centro Paulista de Oncologista (CPO) os elementos que compõem essa cartela de cores dos alimentos são capazes de atuar em diversas fases do corpo celular, beneficiando tanto quem quer prevenir doenças, quanto quem está em tratamento de diferentes tipos de condições, entre elas o câncer. “Os pacientes oncológicos, com ou sem uso de quimioterápicos, se beneficiam do consumo de todo esse arco-íris de cores presentes nos alimentos naturais, pois o tratamento e a própria doença podem levar a um maior estresse oxidativo, processo este que está inclusive relacionado ao surgimento de outras doenças crônicas, como Parkinson ou Alzheimer”, diz.

Segundo ele, de forma geral, apesar dos mais variados tons que devem fazer parte da rotina de ingestão alimentar, há alguns grupos em especial que devem ter sua ingestão reforçada. “Os alimentos verdes, roxos e vermelhos são os mais recomendados, devido a sua propriedade antioxidante”.

 

 

 

 

Deixe uma resposta

error: Conteúdo protegido !