Polícia Civil prende ‘Pompom’, suspeito da morte de jovem em Barra Mansa

4

BARRA MANSA

Agentes da 90ª Delegacia de Polícia prenderam ontem Alexandre de Freitas, vulgo ‘Pompom’, de 26 anos. Segundo informações obtidas pelo A VOZ DA CIDADE, ele é suspeito de ter matado a facadas Lucas dos Santos da Silva, de 21 anos. O crime aconteceu na terça-feira, dia 25, de madrugada, na Rua Oscar da Silva Marins, no Centro (mesma rua da prefeitura).

De acordo com a Polícia Civil, ‘Pompom’ é o suposto ‘cabeça’ da Rua Jorge Lóssio, no Centro, onde ele foi preso. Ainda segundo informações, ele já havia sido preso em 2015 em Barra Mansa, suspeito de ter matado uma mulher, que foi assassinada da mesma maneira que Lucas. A polícia acredita ainda que ele pode ter participação em outros assassinatos.

Alexandre foi identificado por meio das câmeras de monitoramento, o que ajudou no trabalho da polícia. Ele é visto abraçado com Lucas minutos antes da morte.

O A VOZ DA CIDADE esteve no local do crime, na ocasião, e conversou com algumas pessoas e com os policiais da 2ª Cia. do 28° Batalhão da Polícia Militar, que acompanharam o trabalho da perícia.

De acordo com os agentes, eles seguiram com uma equipe para o local, após informações de que moradores do bairro teriam encontrado o corpo de um rapaz, em uma viela da rua que segue a extensão da linha férrea da MRS Logística. “Chegando no bairro, encontramos a  vítima já sem vida. Diante do fato, uma equipe de peritos foi avisada e a mesma apurou que o jovem levou algumas facadas pelo corpo”, disse um agentes.

Era grande a movimentação de moradores próximo a passagem onde o corpo do rapaz permanecia, aguardando remoção para o Instituto Médico Legal (IML) de Três Poços, em Volta Redonda. Muitos deles comentaram que o jovem era uma pessoa conhecida pelo bairro e que era de família simples. “Não sei informar se ele morava por aqui, mas sei que ele trabalhava pegando reciclados. Ele era muito na dele. Sempre pareceu uma pessoa do bem”, disse uma moradora.

Outro morador comentou que o rapaz pegava latinhas em um trailer próximo. “Ficamos assustados com essa violência, pois parecia uma pessoa norma como nós. Da medo, pois frequentamos a rua e passamos no mesmo lugar que ele morreu diariamente. Esperamos saber o que houve, pois fica a tensão de acontecer algo com qualquer um outro aqui da rua”, disse outro morador.

4 Comentários

  1. Acho incrível, não só este jornal, mas todos os outros jornais de nossa região que não publicam sequer uma foto destes bandidos, assassinos para que nós também possamos ver quem são eles e até se possível ajudar com alguma informação não só deste caso, mas de outros quais quer que estes safados possam também estar envolvidos