OMS relata alta de casos de Covid-19 na África e notificações na Coreia do Norte

0

Sul do continente africano acumula 87% de novos infectados em sete dias; situação deve piorar com chegada do inverno; agência da ONU diz seguir empenhada em cooperar com autoridades norte-coreanas para combater pandemia

NOVA IORQUE

O sul da África registrou um aumento nos casos de Covid-19, pela terceira semana consecutiva, com o aproximar do inverno na região.

Dados da Organização Mundial da Saúde, OMS, indicam que a a área registrou 46.271 casos até o último dia 8 de maio.

Infectados

O Escritório Regional da OMS para a África explicou que a proporção sub-regional corresponde a 87% dos novos infectados em todo o continente nos últimos sete dias.

O número está 32% mais alto em relação ao período anterior. O aumento rompe a tendência de declínio de dois meses em toda a região africana.

Até agora, o continente confirmou 11,7 milhões de casos e cerca de 253 mil mortes devido á pandemia.

O pico na África do Sul é o principal fator que impulsiona o quadruplicar de casos nas últimas três semanas. As mortes, no entanto, não aceleraram de forma tão rápida.

Coreia do Norte

Nesta quinta-feira, o dia foi marcado por notícias de ocorrência de casos da Covid na Coreia do Norte. De acordo agências de notícias, as autoridades decidiram apertar as medidas restritivas.

Em comunicado, o representante da OMS no país, Edwin Salvador, contou que ainda não recebeu informações oficiais do Ministério da Saúde sobre o tema. A OMS está em contato com o Ministério e outros funcionários da saúde.

A ONU e a Coreia do Norte colaboraram num plano estratégico nacional de preparação e resposta para o Covid-19 com parceiros incluindo o Fundo da ONU para a Infância, Unicef, a Aliança Global de Vacinas, Gavi para um roteiro de vacinação.

Mecanismo Covax

Com a revisão e adoção do plano envolvendo vários parceiros regionais e a Coreia do Norte, o país passou a ser elegível para receber imunizantes do mecanismo Covax.

A OMS disse que continua empenhada em trabalhar com as autoridades norte-coreanas.

A colaboração seria por meio de informações sobre imunizantes disponíveis através da iniciativa que distribui imunizantes às nações em desenvolvimento.

*Silas Avila Junior – Editor internacional