MPF debate a poluição do ar em Volta Redonda com Movimento Sul Fluminense Contra a Poluição

0

VOLTA REDONDA
Na tarde de quarta-feira, 8, representantes do Movimento Sul Fluminense Contra a Poluição foram recebidos pelo Procurador do Ministério Público Federal (MPF), Jairo da Silva. O objetivo foi tratar das questões referentes à situação da poluição atmosférica na cidade de Volta Redonda provocada pela atividade industrial da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), o pó preto.
Os representantes do Movimento apresentaram ao MPF a situação que se encontra a qualidade do ar na cidade destacando a importância de se aplicar o princípio do Poluidor-Pagador sobre as questões ambientais que recaem sobre a CSN. Destacaram ainda a falta de controle ambiental nas atividades que impactam a Poluição do ar, seja por parte da empresa, seja por parte do Instituto Estadual do Ambiente (Inea).
ACOMPANHAMENTO DO NOVO TAC
Tratou-se também do acompanhamento do novo TAC que está sendo elaborado pelo MPF e INEA, para controle da pilha de escória do bairro Brasilândia, que impacta fortemente a região dos bairros São Luiz e Complexo Volta Grande/ Santo Agostinho e deve ser assinado em breve, com a necessidade de ser mais restritivo e mais efetivo no combate à poluição do ar causado pela CSN naquela região da cidade.
O Procurador do MPF destacou a importância da mobilização social e os impactos positivos da pressão popular sobre a empresa e os órgãos de fiscalização ambiental no sentido de se buscar efetividade e transparência nas ações de combate à poluição.
Na ocasião, o MPF recebeu o Manifesto redigido pelo movimento e um abaixo assinado com mais de 13 mil assinaturas colhidas solicitando providências urgentes contra a Poluição causada pela CSN. O MPF informou que acata as demandas apresentadas pelo Movimento e também que irá realizar novas ações baseadas nas respostas que o Inea está intimado a apresentar em curto espaço de tempo.
REPRESENTAÇÕES
O grupo representado por Alexandre Fonseca, da coordenação do SF Contra a Poluição, Leandro, da Federação da Federação das Associações de Moradores de Volta Redonda (FAM), Luís Gustavo do Movimento Pela Ética na Política (MEP VR -), Marcelo Miranda e Geslia da equipe jurídica do Movimento SF Contra Poluição e Arimathéa do Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ), também se colocou à disposição do MPF para apoiar na coleta de informações e na articulação com profissionais e pesquisadores especializados no tema da poluição atmosférica.
Durante o evento, Alexandre Fonseca destacou a importância e a urgência da atuação sobre o problema que atinge a todos na cidade e agradeceu em nome de todo o grupo a atenção do Ministério Público Federal no caso.

 

Deixe um Comentário