Lar, doce lar!

0

Comprar um imóvel é uma decisão muito importante pra qualquer um, é uma escolha que vai se perpetuar por um bom tempo na vida do indivíduo, seja enquanto morar, seja enquanto pagar as intermináveis prestações.

Se você anda pensando em iniciar essa nova fase na sua vida, existem algumas coisas que precisa saber. A primeira é que o aluguel não é um inimigo. É melhor pagar um aluguel que cabe no seu bolso do que uma prestação que te sufoca, você pode se enrolar e acabar perdendo a parte da casa que já pagou. E segundo que um aluguel também pode ser um bom negócio. Os imóveis residenciais, em sua maioria, têm o retorno financeiro do aluguel muito abaixo que o rendimento das aplicações financeiras do mercado. Eu, por exemplo, moro em uma casa alugada que custa 0,2% do valor do imóvel, enquanto o dinheiro que está aplicado no banco rende 0,5% ao mês.

Para este grande passo, além de se assegurar que está fazendo um bom negócio, comprando por um preço, no mínimo, justo, vale saber se está adequado ao seu momento de vida. Morando de aluguel, eu tenho sempre a impressão que a casa não é minha, e por isso não invisto em reformas pra deixar o apartamento do jeitinho que eu quero e com uma decoração que seja a minha cara, mas entendo que este é o momento que estou acumulando patrimônio. Como comprar um imóvel agora implicaria em pagar juros sobre uma parte do valor que ainda não tenho, posso potencializar o crescimento das minhas reservas e daqui a um tempo comprar à vista.

Se você já financiou o imóvel, vale também saber que a condição negociada com o banco pode não ser a melhor pra sempre, geralmente os contratos são longos e passa por vários momentos do mercado. Quem iniciou um financiamento em 2015, provavelmente tem um empréstimo com juros anuais aproximados a 13%, hoje os bancos chegam a oferecer 9% ao ano. Durante um contrato de trinta anos, quem comprou um imóvel de R$ 400.000,00 poderia economizar R$ 416.000,00 em juros se atualizasse a sua condição do contrato. A boa notícia é que você não está preso a esses juros eternamente, pode fazer portabilidade da sua dívida quantas vezes quiser, para os bancos que te oferecerem a menor taxa. Este é um processo bem trabalhoso, tão burocrático quanto o início do financiamento, inúmeras certidões, registro de contrato, etc. Mas se colocar na ponta do lápis, economiza tanto que paga a casa bem antes do que esperava. Para iniciar o processo de portabilidade, você deve procurar o banco que vai receber a dívida, ele vai te dar todo o “caminho das pedras” e te orientar em relação a burocracia. Todo banco quer receber este tipo de financiamento, é seguro para ele ter um bem alienado ao crédito, ainda mais um bem que não se move e não desaparece, então acredite, eles podem ser bem agressivos quanto a oferta.

Agora que você já conhece mais sobre o mercado imobiliário, é só escolher o que se encaixa melhor com o seu momento de vida. Seja alugando ou financiando, o importante é transformar sua casa em um lar e recheá-lo com muita felicidade e realização.

Deixe um Comentário

error: Conteúdo protegido !