Hospital Regional pode ser desmobilizado e conselho de secretarias de Saúde do estado se manifesta

1

SUL FLUMINENSE 

O Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do Estado do Rio de Janeiro divulgou uma carta sobre a possível desmobilização do Hospital Regional Zilda Arns e o impacto que isso pode gerar na atual situação pandêmica da Covid-19. O documento foi enviado com pedido de resposta urgente do ex-secretário de saúde do Estado, Fernando Ferry, que pediu demissão nesta segunda-feira, dia 22. Na carta é destacado que caso a unidade seja desmobilizada os pacientes com coronavírus seriam transferidos para a Região Metropolitana.

A carta aponta que o Hospital Regional possui problemas operacionais, contudo não especifica quais são eles. Segundo secretários de saúde da região há atrasos no repasse de verbas do governo estadual para a Organização Social que administra a unidade. Na carta é informado que uma mensagem vem circulando em grupos de WhatsApp de Secretários e Técnicos da região. A mensagem destaca que com a suspensão do funcionamento do Regional, os pacientes de UTI e enfermaria Covid-19 estarão sendo redirecionados para a Região Metropolitana I, nos hospitais de campanha.

A carta ainda alerta que o fechamento do Hospital Regional poderia agravar a situação da Covid-19.  “Assim, senhor secretário, se com os leitos do Hospital Regional Zilda Arns a situação já era grave, com  sua falta se torna gravíssima e fora de controle. Nesse contexto, considerando vossa própria orientação no sentido de formalizar os problemas identificados na gestão do SUS, mediante ofício e tendo em vista o papel institucional do COSEMS, que legal e estatutariamente é órgão representativo das Secretarias Municipais de Saúde do Estado do Rio, vimos externar nossa preocupação e perplexidade com o rumo dos acontecimentos, que certamente causará desassistência e, por consequência, perda de vidas”. A carta é encerrada com um pedido de posicionamento urgente do então secretário, que pediu demissão.

No comunicado é destacado ainda que a “perplexidade” com a situação se tornou maior quando houve a tentativa de transferência de um paciente internado em Vassouras para o Regional. Diante do pedido, a Central de Regulação disse: “Somente podemos transferir pacientes Covid + para leito Covid. O que podemos fazer no momento é mandar para Central Metro 1, da baixada. No momento, há problemas operacionais no Hospital Zilda Arns e não estão podendo receber pacientes. Se não quiserem que seja transferido para Central Metro 1, transferirei para a SMS do município, conforme orientação da coordenação da Central MP”.

HOSPITAL REGIONAL COM LEITOS VAGOS

No início da pandemia, o Hospital Regional havia se tornando a maior unidade para atendimento de pacientes com a Covid-19. Pessoas de todo o estado foram transferidas para o local, com infectados chegando da Baixada Fluminense, Grande Rio e capital. Segundo fontes internas do Hospital Regional, há muitos leitos vagos na unidade.

As três Unidades de Terapia Intensiva (UTI) do hospital possuem grande número de vagas disponíveis, sendo: Na UTI 1 (dez leitos); UTI 2 (nove leitos); e UTI 3 (15 leitos).

Já das três enfermarias ativas, o número total de leitos é de 109, sendo que 26 estão ocupados e 83 disponíveis. “Funcionários que tem hora na casa estão sendo mandados para casa para compensar”, finalizou a fonte que preferiu não se identificar.

1 comentário

  1. A saúde está sendo administrada por loucos comandados por um governador corrupto. Caso aconteça nova onda viral, com o hospital regional desativado será muito mais difícil o atendimento dos infectafos.

error: Conteúdo protegido !