Gasolina baixa para refinarias e consumidor anseia queda nos postos

0

SUL FLUMINENSE

A Petrobras confirmou que a partir desta sexta-feira, dia 31, o valor médio da gasolina e do diesel tem redução de 3% nas refinarias. A medida é uma consequência da baixa do valor da cotação do barril de petróleo no mercado internacional. Foi a terceira redução no mês de janeiro, pois houve a redução de 1,5% para a gasolina e 4,1% no diesel, semana passada e no dia 14, corte de 3%.

A baixa para as refinarias não garante que o valor praticado pelos postos caia como é o anseio dos consumidores. Segundo a Petrobras, o valor da gasolina na refinaria equivale a 25% do preço final nos postos – 16% são da empresa distribuidora e rede de postos e outros 59% de impostos como Cide, PIS e Cofins. O repasse dos valores praticados nas refinarias ao consumidor depende das distribuidoras e revendas. O consumidor tem sentimento misto, feliz pelas reduções às refinarias e ansioso, aguardando que possa ocorrer alguma alteração do valor nas bombas nos postos.

A gasolina tem um longo ciclo até chegar ao consumidor final nos postos

Em Resende, o aposentado Pedro dos Santos, 72, abastece diariamente o carro flex. A alternância entre gasolina e etanol é constante, devido à variação da gasolina. “Tem postos cobrando R$ 5,10 pelo litro da gasolina na cidade e por isso uso o etanol. Essas quedas para as refinarias nunca chegam pra gente, tinha que ser algo justo. Se baixa pra quem distribui, fornece, teria que ocorrer uma sequencia de redução até o posto favorecendo quem abastece. Hoje, meu gasto fica na média de R$ 250 mensais com combustível”, frisa.

Atuando no ramo de representação comercial, a vendedora Samara Camargo, 32, roda toda a região Sul Fluminense e espera uma queda no valor do combustível para ampliar sua margem de lucro. “O que gasto abastecendo poderia baixar e assim eu aproveitar melhor as minhas gratificações. O interessante é que rodo a região e o valor muda em cada cidade, em Angra é o local mais caro. Gosto quando tenho clientes ativos no interior de São Paulo, porque lá pago menos e encho o tanque”, comenta.

A gasolina tem o valor composto por diversos itens como custo da distribuição e revenda e impostos

De acordo com a gerente de uma rede de postos, Mariana Peixoto, os preços estão estagnados e não devem sofrer redução ao consumidor. “Mantivemos os preços durante a crise entre EUA e Irã, que tinha risco de afetar o mercado. Entendo que esta estagnado, baixar não acredito por causa da cadeia produtiva. Não basta reduzir na refinaria, tem outros custos envolvidos até o produto chegar pra gente”, conta.

PREÇOS DOS COMBUSTÍVEIS

Segundo dados mais atualizados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) o preço do litro da gasolina comum verificada nas principais cidades da região Sul Fluminense, no período entre os dias 19 e 25 deste mês, são distintos: Em Angra dos Reis o valor mínimo de R$ 5,199 e o máximo de R$ 5,889; R$ 5,029 e R$ 5,399 em Barra do Piraí; R$ 4,949 e R$ 5,299 em Barra Mansa; variação de R$ 4,779 e R$ 5,10 em Resende; R$ 5,199 e R$ 5,399 em Três Rios; R$ 5,099 e R$5,299 em Valença; R$ 4,949 e R$ 5,299 em Volta Redonda.

O A VOZ DA CIDADE analisou ainda os valores do diesel e etanol na região. Em relação ao combustível prioritário daqueles que detém veículos com motor flex, o litro do etanol varia de R$ 3,88 (Resende) a R$ 4,699 (Barra do Piraí), o litro. O valor do litro do etanol em Angra dos Reis varia de R$ 4,397 a R$ 4,549; em Barra do Piraí de R$4,259 a R$ 4,699; Barra Mansa de R$ 3,99 a R$ 4,599; Resende de R$ 3,88 a R$ 4,499; Três Rios de R$ 4,299 a R$ 4,599; Valença de R$ 4,349 a R$ 4,589; Volta Redonda de R$ 3,999 a R$ 4,639.

Em relação ao diesel, os valores são os seguintes, lembrando que os dados são do período entre os dias 19 e 25 de janeiro: Angra dos Reis – R$ 4,059; Barra do Piraí – R$ 3,699 e R$ 4,089; Barra Mansa – R$ 3,649 a R$ 3,899; Resende – R$ 3,479 a R$ 3,769; Três Rios – R$ 3,649 a R$ 3,8; Valença – R$ 3,839 a R$ 3,997 e em Volta Redonda – R$ 3,699 a R$ 3,959.

PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS

Segundo a ANP, o Estado do Rio de Janeiro aumentou sua participação na produção nacional de petróleo e gás. Em 2019, a produção brasileira de petróleo e gás natural foi de 3,559 milhões de barris equivalentes por dia (MMboe/d), totalizando 1,299 bilhão de barris de óleo equivalente, um aumento de 8,1% em relação a 2018.

O Rio de Janeiro, onde estão localizados os campos de Lula e Búzios, vem crescendo sua participação na produção nacional. Em 2019, foi o maior produtor de petróleo e gás natural, representando 71% do volume total produzido no país, 5,3% maior que em 2018, registrando uma produção de 2,528 MMboe/d. Em seguida vem o Estado de São Paulo, com uma participação de 11,5% na produção total: 409,77 mil boe/d. E o Espírito Santo, terceiro maior estado produtor, com uma produção de 333,68 mil boe/d, representando 9,4% da produção de petróleo e gás natural no país.

error: Conteúdo protegido !