Faculdade de Medicina completa 50 anos como a terceira melhor do país

0

VALENÇA
A Faculdade de Medicina do Centro de Ensino Superior de Valença da Fundação Educacional Dom André Arcoverde (CESVA/FAA), avaliada como terceira melhor do país pelo Ministério da Educação (MEC), completa 50 anos este ano. Apesar de o aniversário só ser em 31 de agosto, as celebrações tiveram início nesta quarta-feira, dia 23, com uma cerimônia realizada no Centro de Eventos do Campus I que contou com a participação de alunos, ex-alunos e funcionários que fizeram parte deste meio século de história.
Durante a cerimônia houve a homenagem a três ex-estudantes do curso de Medicina, hoje médicos, foram eles: Arnaldo Mazza, Dinei Loureiro e Sylvia Oighenstein Loureiro, todos membros da Associação de Ex-Alunos da Faculdade de Medicina de Valença.

Em seu discurso, Mazza, que foi o primeiro aluno matriculado na instituição em 1968 e uma das lideranças do movimento de estudantes excedentes da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) que deu início a criação do curso de Medicina e posteriormente o Hospital Escola Luiz Giosef Jannuzzi, destacou o histórico de lutas e o lado humanizador do curso, que para ele é um diferencial entre outros que existem no Brasil. Ele lembrou que Valença tem uma comunidade que abraço os universitários, já que a instituição recebe muitos de fora da cidade.
Após a cerimônia ocorreram palestras, que marcaram o início do quinto congresso das Ligas Acadêmicas de Medicina do CESVA/FAA.

INAUGURAÇÃO DE HOSPITAL ESCOLA
Diretor do curso de Medicina do CESVA/FAA e ex-aluno da instituição, o médico Kleiton Neves, frisou que este foi apenas o começo das comemorações que estão previstas para acontecerem até setembro e incluem a inauguração de um novo hospital escola que fará parte de um complexo hospitalar. “Nesse período de comemoração de 50 anos teremos a inauguração do hospital materno-infantil. Isso significa termos mais um cenário de prática para os nossos alunos. Teremos lá um pronto socorro obstétrico, um pronto socorro pediátrico, uma unidade neonatal, enfermaria com mais leitos. Além disso, teremos biblioteca, outras áreas para o melhor funcionamento do curso. O objetivo é manter essa estrutura e oferecer um adicional”, afirmou.

Kleiton lembrou que ser considerada pelo MEC a terceira melhor faculdade de Medicina do país aumenta a responsabilidade. “Temos que continuar trabalhando para merecer esse destaque. Contar com um hospital-escola próprio é um grande diferencial nesse processo de formação do aluno. Os nossos estudantes têm acesso livre ao hospital, em qualquer hora, dia, período de férias, ou seja, nós não temos uma limitação. A maior parte das escolas em que são feitos convênios (com hospitais) o aluno tem essa limitação. E a criação de mais um ambiente, de mais um cenário de prática, isso só vem reforçar a busca pelo ensino de qualidade”, garantiu o diretor do curso.

INSERÇÃO PRECOCE
Kleiton disse que o curso tem a proposta de inserir de forma precoce os alunos nas redes de serviço de saúde, consideradas como importante espaço de aprendizagem e troca de vivências. Através de parcerias, promovidas entre a instituição e a prefeitura de Valença, foram possíveis trazer este diferencial na formação de médicos na instituição. “Eles fazem levantamento de doenças presentes naquele local; avaliam famílias e indivíduos daquela comunidade; possuem contato com a parte de gerência e planejamento. E hoje em dia é cobrado para que o médico tenha noção disso, um pouco diferente de alguns anos atrás. Nossa formação é voltada para o lado humano. Saber o nome da pessoa, acolher melhor, impacta na formação desses alunos”, finalizou, revelando que para ele é muito gratificante ter participado desta trajetória como aluno e fazer parte da instituição como diretor do curso.

 

error: Conteúdo protegido !