Ex-presidente do Leão do Sul solicita novo prazo para justificar gastos

0

Na última reunião do Conselho Deliberativo do Barra Mansa Futebol Clube, realizada no dia 1º de outubro de 2018, ficou acordado que o presidente afastado Anderson Martins Florentino, o Andrinho teria até a última segunda-feira, dia 22, para apresentar as notas fiscais para justificar os gastos referentes aos R$ 343 mil, que teria, supostamente, desviado para uma conta aberta em seu nome. O valor é parte da primeira parcela do dinheiro que o Barra Mansa tem direito a receber pelo ‘mecanismo de solidariedade’ da Fifa, como clube formador do lateral Dalbert, que no ano passado, trocou o Nice, da França, pela Inter de Milão, da Itália, por R$ 94 milhões. Nesse caso, o Leão do Sul tem direito a receber cerca de R$ 1,2 milhão. E no acordo, entre o clube italiano e o Leão do Sul, ficou acertado que o pagamento seria efetuado em duas parcelas.

No entanto, um mês antes de ser depositada a primeira parcela do acordo, investigações apontaram que Andrinho abriu uma conta bancária em uma agência na Zona Oeste do Rio para receber o montante. Mas, os investigadores descobriram que já investigavam Andrinho, por um suposto esquema de manipulação de resultados, na Série B do Campeonato Carioca, que, o Conselho Fiscal do Barra Mansa Futebol Clube, nunca soube da existência da referida conta aberta na Capital.

Na tarde de ontem, o A VOZ DA CIDADE fez contato com o presidente do Conselho Deliberativo, do Barra Mansa Futebol Clube, Sílvio Antônio Francisco, para saber se o ex-presidente do Leão do Sul havia cumprido com o acordo firmado em 1º de outubro. No entanto, o Silvio disse que Andrinho solicitou a prorrogação do prazo. “Alegando que algumas notas ele não estaria tendo acesso, através de um documento, ele solicitou que prazo fosse estendido até a próxima sexta-feira. E para que não haja depois um questionamento de que não houve uma flexibilidade decidimos acatar o pedido”, informou Silvio, revelando que todos os fatos estão sendo comunicados ao Ministério Público e que uma comissão será formada para analisar os documentos que serão apresentados.