Estudo mostra como o ato de subir montanhas muda o cérebro das pessoas

0

NACIONAL

O Journal of Environmental Science and Technology, revista científica revisada mensalmente que cobre ciência ambiental, tecnologia, engenharia e gerenciamento, publicou um estudo que afirma que ir para uma caminhada na natureza apenas cinco minutos por dia, traz benefícios para a saúde mental.

Portanto, ao invés de caminhar ao ar livre, e trocar a rota para um trekking nas montanhas, pelo menos uma vez por mês, reforçará a autoestima do caminhante. O estudo realizado pelos psicólogos Ruth Ann Atchley e Dr. David L. Strayer, constataram que pessoas que foram desconectadas da tecnologia (TV, celular, computador, entre outros) para um período de quatro dias para sol, foram capazes de aumentar sua capacidade de resolver problemas em 50%. Em outras palavras, aumentaram sua capacidade criativa quase duas vezes.

Este estudo é o primeiro a documentar mudanças sistemáticas na função cognitiva de alto nível associada à imersão na natureza. O estudo também sugere que os ambientes naturais, do qual evoluímos, estão associados à exposição a estímulos que provocam uma espécie de fascínio suave e delicado. Ambos emocionalmente positivos e pouco excitantes.

Outra questão que foi notada é que a prática de atividades ao ar livre, como trekking e hiking, aumenta a capacidade de concentração. Uma abordagem útil para quem é educador e que pode ser muito útil para certas pessoas, especialmente os jovens, que sofrem de déficit de atenção. A exposição à natureza também pode envolver o que tem sido chamado de redes de ‘modo padrão’ do cérebro, que uma literatura emergente sugere que pode ser importante para o pico de saúde psicossocial.

A rede de modo padrão é um conjunto de áreas do cérebro que estão ativas durante uma introspecção tranquila e que foram implicadas em desempenho eficiente em tarefas que exigem função de lobo frontal, como a tarefa de pensamento divergente usada no estudo.

Nos vários estudos realizados, determinou-se também que as pessoas que praticam trekking têm um fluxo sanguíneo mais baixo na área do córtex pré-frontal subgenual, ou seja, a área relacionada a mau humor, sentimentos de tristeza e preocupações. Portanto, esta área do córtex cerebral é desativada quando se pratica a atividade de caminhada na montanha.

 

Deixe uma resposta

error: Conteúdo protegido !