Estudo da OIT mostra falta de progresso na igualdade de gênero no mercado de trabalho

0

NOVA IORQUE

Uma nova análise da Organização Internacional do Trabalho, OIT, mostra como a desigualdade no local de trabalho se reflete na diferença de salários entre homens e mulheres, os cargos desempenhados e as oportunidades para as mais jovens.

A agência da ONU analisou os dados de 115 países e conclui que a diferença salarial média é de 14%. Além disso, nas profissões dominadas por homens as diferenças salariais são ainda mais altas.

Diferenças

Cerca de 73% de todos os gerentes são homens, bem como 77% dos trabalhadores artesanais e comerciais. Esses dois grupos representam as duas categorias onde as diferenças salariais entre os gêneros são maiores.

Em todo o mundo, há muito menos mulheres do que homens em cargos de administração. A esse nível, a OIT afirma que “o progresso tem sido praticamente inexistente desde o início do século”.

As mulheres representam 39% de todos os trabalhadores assalariados do mundo, mas apenas 27% dos trabalhadores administrativos. A parcela de mulheres gestoras praticamente não mudou em duas décadas.

Quanto às regiões, em 2018 a presença de mulheres gestoras era mais alta na América Latina e no Caribe, com 39%, e na América do Norte e Europa, com cerca de 37%. A Ásia Ocidental e o Norte da África tinham os valores mais baixos, com apenas 12%.

Início de carreira

A OIT afirma que “apesar de muito debate sobre o fim das diferenças de gênero e a melhoria para as gerações atuais e futuras, isso ainda não é confirmado pelos dados”.

Segundo a agência, as mulheres mais jovens continuam sendo deixadas para trás.

Mulheres com idades entre 15 e 24 anos têm mais probabilidade de ficar desempregadas do que homens na mesma faixa etária, com grandes diferenças em algumas partes do mundo. Nos Estados árabes, por exemplo, a taxa de desemprego das mulheres jovens era cerca do dobro da dos homens da mesma idade na última década.

A taxa de inatividade também é muito maior para as jovens em todas as regiões. A diferença na porcentagem mulheres jovens que não estão empregadas, não estudam ou estão capacitadas é ainda mais acentuada nas áreas rurais. Globalmente, em 2018, a taxa de jovens nessa situação era 30% para mulheres e 13% para homens.

Segundo a OIT, esses números mostram “o longo caminho que as mulheres ainda precisam percorrer antes de alcançar a igualdade no mercado de trabalho, particularmente as mulheres jovens”. (*Com informações da Agência ONU News).

Deixe uma resposta

error: Conteúdo protegido !