Escola Municipal Luiz Marinho Vidal, uma instituição diferente

0

PIRAÍ

[email protected]

Num país em que a educação jamais esteve em primeiro lugar para os governantes, uma instituição segue trabalhando ações pedagógicas completamente diferentes do que acontece no país

A Escola Municipal Luiz Marinho Vidal, localizada no bairro Jaqueira, em Piraí segue realizando desde 2014 projetos com os alunos e inserindo a comunidade em todos eles. Atualmente, a instituição conta com 250 alunos da educação infantil ao 9º ano. Possui professores de várias cidades do Sul do Estado e alguns da capital do Estado. Seus funcionários, sempre zelosos com a escola, em sua grande maioria, residem no bairro.

A escola, dirigida pelas diretoras Cláudia Santos e Neyri Justino, ao longo dos últimos cinco anos tem se destacado pelo fato de juntar profissionais que desejam oferecer e implantar ações diferenciadas no cotidiano escolar. São projetos para crianças e adolescentes que os fazem ser protagonistas em diversas situações.

O projeto ‘Superando Limites’ é um exemplo. Nesse projeto, a unidade recebe convidados do Esporte, Cultura e Literatura para conversar com os alunos sobre os mais variados temas. Entre os temas abordados no projeto estão: superação, motivação e autoestima.

Em 2019 a escola recebeu a visita de Bia Bedran, cantora e escritora mais utilizada como referência bibliográfica nas escolas do Brasil. Nessa visita a comunidade escolar realizou atividades de música, teatro com a participação de alunos, professores e funcionários utilizando a obra da autora como linha de aprendizagem.

Bia Bedran, cantora e escritora assiste apresentação dos alunos – Foto: Divulgação

O ex-atleta Robson Caetano, do atletismo e Waldez Ludwig, escritor e palestrante, que está entre os dez melhores do Brasil, segundo a revista Forbes, também visitaram a escola no ano passado para um bate papo.

Ex-atleta do atletismo Robson Caetano atendendo alunos em sua participação no projeto – Foto: Divulgação

Mas a lista de convidados não parou de crescer. Muitas outras personalidades como a eterna bailarina número um do Teatro Municipal, do Rio de Janeiro, Ana Botafogo; César Souza, escritor e palestrante; atletas Giovane Gávio, Waleskinha e Emanuel, do voleibol; Ricardo Prado e Luiz Lima, da natação; Clodoaldo Silva e Luiz Cláudio de Souza, atletas paralímpico da natação; Edmundo, Bebeto e Roberto Dinamite, futebol; Sebastian Cuattrin e Caio Ribeiro, canoagem; Isabel Swan e Samuel Gonçalves, vela registraram passagem pelo projeto da escola. Os 84 convidados que participaram do projeto ‘Superando Limites’ visitaram a escola gratuitamente, de maneira voluntária, pois acreditaram no projeto, uma vez que eles são exemplos para crianças, jovens e muitos adultos.

Para a realização das ações em sala de aula, os professores são convidados a participar. Aqueles que aceitam participar realizam as ações com os alunos para uma grande apresentação sobre a área de atuação do visitante.

Entre as ações desenvolvidas nos dias de visita das personalidades, os alunos realizam apresentações de teatro, declamação de poemas, leituras de textos, cartas, vídeos, dança, apresentação da fanfarra, música e ações com a comunidade. Em 2020 a escola já entrou em contato com vários convidados. No momento, o que está faltando são apenas alguns detalhes para a confirmação dos nomes.

Waldez Ludwig, escritor e palestrante durante sua participação no projeto – Foto: Divulgação

PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE

A escola também realiza o Projeto ‘Movimento Verde’ que visa trabalhar a preservação do meio ambiente. Os professores de Ciências, Português, Educação Física e Geografia articulam com outras disciplinas as ações ambientais com os alunos do 6º ao 9º ano. Com os alunos da educação infantil ao 5º ano as ações práticas ficam por conta dos professores regentes de cada turma que se envolve. Horta, reflorestamento, cuidar de jardins, caminhadas em trilhas e as coletas seletiva e de óleo são algumas das ações ambientais que a escola desenvolve.

Nestes projetos de meio ambiente a escola realiza aulas práticas. Para o 6º ao 9º ano, por exemplo, a disciplina de Geografia realizou uma aula prática na Pedra Selada, em Resende. A disciplina de História realizou uma aula prática sobre a escravidão e o ciclo do café na Fazenda Santa Cecília, em Miguel Pereira. A disciplina de Educação Física realizou aulas práticas com monitores cardíacos e aparelhos de medição de pressão na Pedra Selada e na Pedra do Telégrafo, no Rio de Janeiro.

Já os alunos da Educação Infantil também se divertem estudando. Eles já visitaram o Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro e as instalações do Sesc Barra Mansa e Nogueira.

Dessa forma qualquer professor pode aproveitar uma visita e ministrar uma aula prática de um assunto falado em sala de aula. A escola também levou seus alunos para os Jogos Olímpicos Rio 2016, Teatro Municipal e na Confeitaria Colombo, no Rio de Janeiro para tomar um delicioso café colonial e conhecer um pouco da história da casa que atravessa gerações.

Para realizar todas essas ações a escola possui vários parceiros que acreditam nela pelos projetos e organização.

A escola não pede dinheiro para nenhuma empresa e mesmo sem patrocinadores, a escola busca sempre parceiros para ações sociais e educativas. E a maioria das empresas ajuda quando os projetos são mostrados.

Além desses projetos grandiosos a escola realiza outras atividades menores. Como o ‘Dia da alegria’, que é um projeto da Educação Infantil em que os alunos têm um dia de brincadeiras junto com os pais e com brinquedos infláveis. O ‘Luiz Marinho Fashion Kids’ é uma atividade em que todos os alunos da escola são convidados a participar de um desfile – sem premiação – com a roupa e o calçado que cada um possui. Nesse dia, além dos alunos da educação infantil ao 9º ano, até os alunos do 6º ao 9º (meninos e meninas) desfilam na escola. Para este ano o tema ainda não foi decidido.

O que melhorou na escola com as ações?

De acordo com a diretora-geral da unidade escolar, Cláudia Santos, com tantas ações educativas e com grande aprendizado as pessoas irão perguntar o que melhorou? “Melhorou em várias questões. A escola não possui registro de evasão escolar. Nenhum dos alunos tem envolvimento com drogas. O índice de reprovação é quase zero pelo fato dos alunos terem que estudar mais para participar das atividades propostas. Os índices de indisciplina diminuíram pelo fato dos alunos amarem e desejarem participar das visitas-técnicas (viagem). A escola ganhou credibilidade com os pais e a comunidade. Atualmente os pais e a comunidade participam sempre em bom número dos eventos e das reuniões bimestrais”, contou.

Ela contou ainda que a escola melhorou somente porque existem muitos projetos de várias áreas. “A escola possui profissionais, professores e funcionários, que se dedicam para que a qualidade de ensino seja boa. A equipe diretiva e a equipe pedagógica são sempre presentes e com uma visão pedagógica grande, o que contribui para o sucesso de toda a escola. Tanto que os profissionais são de qualidade que a nossa nota do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) realizado pelo MEC a cada dois anos, a escola superou a sua meta municipal e nacional no ano de 2017 pela primeira vez em sua história. E a escola ainda conta com o suporte da Secretaria Municipal de Educação”, acrescentou a diretora.

CRIANÇAS SEM OPORTUNIDADES

As ações sociais dentro de um bairro em que as crianças não têm muitas oportunidades transforma a vida delas. A escola conseguiu unir bons profissionais e ganhar a confiança dos pais e da comunidade. Atualmente todas as ações que são realizadas, os pais e responsáveis sempre estão na escola participando junto com a comunidade escolar.

A escola é tão boa e tem tanta credibilidade, que em 2018 foi realizada a primeira eleição direta para diretores. A chapa das diretoras Cláudia Santos e Neyri Justino teve 96% dos votos válidos dos alunos e dos pais. Foi a maior votação das eleições para diretor do município de Piraí. “Temos o maior orgulho das ações que são preparadas pelos nossos profissionais. A organização passa por vários setores administrativos e vai até o pedagógico sempre com o pensamento voltado para o aluno que é o nosso foco. Ensinarmos e aprendermos com eles”, concluiu Cláudia Santos.

O CONVITE

O professor de Educação Física, Fernando Marlos, um dos desenvolvedores dos projetos da escola é quem faz a maioria dos contatos. “Entramos em contato com os convidados mostrando a importância da visita de uma pessoa com dificuldades e problemas na vida como os nossos alunos têm. Somos bem sinceros dizendo que não podemos pagar nenhum centavo, uma vez que não possuímos recursos. A maioria deles aceita participar de imediato quando apresentamos os projetos. Alguns respondem dizendo que não tem agenda. Um ou outro nem responde. Acho pior não responder”, comentou Marlos.

ESCOLA PRIVILEGIADA

A professora Silvana Silva, falou do orgulho que sente pelo privilégio de receber muito convidados ilustres nos projetos. “A nossa escola é privilegiada em receber muitos convidados. E por isso, planejamos e nos organizamos para criar e preparar as ações junto com os alunos. É maravilhoso poder trabalhar com projetos com aprendizagem significativa. Eu me orgulho de fazer parte de uma equipe como esta”, resumiu Silvana.

AMOR PELO TRABALHO

Orgulhosa por fazer parte do quadro de professores da escola, Carla Bock destacou o grupo forte e dedicado em desenvolver as mais diversas atividades que favorecem a melhoria da qualidade de vida, não só dos alunos, mas da comunidade como um todo. “Eu amo trabalhar nessa escola. Aqui temos muitas oportunidades de trabalhar junto com os alunos a parte prática sempre que pensamos numa atividade. Temos um grupo forte de professores e funcionários que acreditam que essas ações são importantes na vida dos alunos. Os projetos são tão bem elaborados que toda comunidade do entorno da escola participa. Isso nos enche de orgulhos e mostra que estamos no caminho certo”, disse a professora Carla Bock.

Deixe uma resposta

error: Conteúdo protegido !