Drone reforçará ações de combate ao desmatamento ilegal em Ilha Grande

0

ANGRA DOS REIS

O drone será mais um aliado no combate ao desmatamento ilegal. O equipamento será utilizado junto ao Programa Olho no Verde  executado pela Secretaria de Estado do Ambiente (SEA) e pelo Instituto Estadual do Ambiente (Inea). O equipamento foi entregue ao Parque Estadual de Ilha Grande, situado no Sul Fluminense e administrado pelo Inea, e adquirido com recursos de compensação ambiental.

Para o subsecretário de Estado do Ambiente, Rafael Ferreira, a incorporação do drone no projeto Olho no Verde traz a possibilidade de intensificar o monitoramento e o combate ao desmatamento ilegal. “Em função das questões climáticas da Ilha Grande, o monitoramento por satélite tem dificuldades em gerar alertas em tempo ágil. Então o drone veio, em um primeiro momento,  para suprir essa lacuna”, explicou Rafael Ferreira.

Para o gestor do Parque Estadual de Ilha Grande, Tercius Barradas, a complexidade logística da Ilha Grande precisava dessa importante ferramenta. “O combate aos desmatamentos e às ocupações irregulares que figuram entre os principais fatores de degradação de um dos mais belos atrativos do Rio que é Ilha Grande”, aponta.

O diretor de Biodiversidade, Áreas Protegidas e Ecossistemas do Inea, Paulo Schiavo afirma que a ferramenta que vai ajudar  e muito. “Não só no controle da cobertura florestal, através do projeto Olho no Verde, como também vai propiciar melhor manejo da unidade porque poderemos identificar os problemas com mais agilidade e, com isso, fazer as correções necessárias, além de aumentar o nosso conhecimento sobre a própria unidade de conservação”, afirmou.

O Projeto Olho no Verde monitora, semanalmente, via satélite, a cobertura florestal de uma área de sete mil quilômetros quadrados, onde se localizam os principais remanescentes florestais do Rio de Janeiro e tem como principal objetivo o combate ao desmatamento ilegal através da incorporação da tecnologia do imageamento por satélite e de processamento de dados espaciais. As imagens que serão captadas pelo drone irão complementar as imagens produzidas pelo satélite com a finalidade de aprimorar a fiscalização.

Desde 2016, o Projeto Olho no Verde já identificou mais de 400 casos de desmatamento ilegal, somando cerca de 1 milhão e 100 mil metros quadrados, o equivalente a 110 hectares de áreas que sofreram supressão irregular de vegetação.