Demora na entrega de produtos eletrônicos gera reclamações entre clientes

0

BARRA MANSA//VOLTA REDONDA

Por conta no atraso nas entregas de produtos importados, uma loja de eletrônicos e perfumaria com filiais em Barra Mansa e Volta Redonda, tem sido alvo de inúmeras reclamações. Com mais de 33 mil seguidores em suas redes sociais, a loja, conquistou clientes por conta do bom preço em itens caros e desejados, como smartphones, videogames, smartwatches, entre outros. Em contrapartida, a demora da entrega dos produtos dentro do prazo estipulado pela empresa tem frustrado parte deste público, que busca solução através das denúncias nas redes sociais e sites especializados em reclamações.

Além das redes sociais, a loja também está com reclamações no site Reclame Aqui. De 57 registros, apenas 14 foram respondidos, o que corresponde a menos de 30% do total. Quase todas as reclamações referem-se a produtos não entregues.

CLIENTES RECLAMAM

Mayara Fontes é uma das clientes com problemas em relação ao prazo de entrega. A cartorária explica que pagou, à vista, R$ 2,7 mil por um Iphone 11 de 128gb em 26 de novembro do ano passado e, até o momento, não recebeu o aparelho. “O prazo era 29 de janeiro, quando me pediram mais sete dias. Esperei e pediram mais sete. Perguntei sobre novo prazo e não sabem me responder. Gostaria de entender o critério de triagem da Elgui Store, pois conheço alguém que comprou depois de mim e já recebeu. Acredito que eles estão com um volume de encomendas muito grande e não estão sabendo administrar”, ressalta Mayara, dizendo estar preocupada ao ver tantas reclamações sobre a empresa.

A fisioterapeuta Beatriz Ambrósio compartilha da mesma preocupação. Ela comprou um celular com previsão de entrega para 17 de fevereiro, mas ainda não teve retorno da loja. “Me sinto muito frustrada e lesada, pois quando realizei a compra eles foram super atenciosos, respondiam logo em seguida, explicando tudo. Caso não chegue dentro de 30 dias, conforme novo prazo pedido por eles, vou procurar outros meios. Mas como estou vendo na internet pessoas que eram pra ter recebido em janeiro e ainda não receberam, acredito que o meu não chegue também”, diz.

Quem também continua aguardando é o pintor Bráulio Arcanjo, que comprou um Iphone 11 em dezembro de 2020 e ainda está à espera do aparelho. “Mal dão informações direito. Empresa sem empatia e consideração com cliente”, dispara.

Rosemary Ribeiro comprou um Playstation para o neto antes do Natal e, quase três meses depois, ainda não recebeu o videogame, previsto para entrega em 17 de fevereiro. “O prazo ficou só no papel. Meu neto juntou sua mesada por meses para comprar o Playstation e nós inteiramos o restante. Eu avisei que não daria tempo de chegar antes do Natal, mas que ele receberia, então, no seu aniversário, o que não aconteceu. Está sendo frustrante explicar isso para uma criança de nove anos. Foi o famoso ‘barato que sai caro’”, admitiu.

Loja se posiciona

O A VOZ DA CIDADE, entrou em contato com o proprietário da rede de lojas, Luiz Guilherme da Silva, que informou que o atraso dos produtos é referente às importações e a pandemia provocada pela Covid-19. “A pandemia provocou atrasos em todos os setores, e nosso é um deles. Nosso prazo máximo para entregas é de 30 dias, podendo se estender por até mais 30, mas infelizmente por conta da situação atrasos acontecem. Inclusive, os clientes que quiserem resolver o problema, podem comparecer até uma de nossas lojas, nós garantimos o estorno do valor e se tiver o produto na loja, entregamos. Estamos dispostos a dar todo o suporte necessário. Muitos fazem a reclamação no site, mas quando tem o problema sanado, não retira do ar”, explica.

DIREITOS DO CONSUMIDOR

De acordo com o coordenador do Procon de Volta Redonda, o advogado João Silveira Neto, em situações como esta, o consumidor está amparado pelo artigo 35 do Código de Defesa do Consumidor, que apresenta algumas escolhas em seu favor, como: exigir o cumprimento forçado da obrigação, nos termos da oferta, apresentação ou publicidade; aceitar outro produto equivalente; ou, ainda, exigir a restituição da quantia paga, inclusive, com correção monetária e perdas e danos, se for o caso. Essas opções também são válidas caso o produto seja entregue incompleto ou diferente do anunciado.

O Procon de Volta Redonda orienta ao consumidor a sempre guardar o registro da compra realizada com o prazo de entrega, bem como o comprovante de pagamento e nota fiscal. O segundo passo é reclamar, junto ao SAC da loja, sobre o ocorrido, guardando sempre o número de protocolo ou outras informações pertinentes, como nome da atendente, data e horário da reclamação, etc. Caso a situação não seja resolvida, o consumidor deve procurar o órgão de defesa para cobrar seus direitos.

O gerente do Procon de Barra Mansa, Felipe Goulart, informa que o órgão também recebeu reclamações referentes a loja. “Mas ao entrar em contato com a mesma, o problema foi resolvido imediatamente. O conselho que o Procon dá é que o cliente sempre tem que ler atentamente as cláusulas do contrato que está assinando pois lá está previsto o prazo de entrega, e fala também sobre atrasos”, conclui.

 

error: Conteúdo protegido !