Criação de campanha de coleta seletiva em Porto Real é solicitada por vereador

0

PORTO REAL

O vereador Elias Vargas (PRTB) teve aprovada uma indicação no Legislativo nessa semana que solicita ao prefeito Alexandre Serfiotis a criação de uma campanha para coleta seletiva de óleo de cozinha usado na cidade. O vereador participou de uma reunião recente em Brasília sobre biodiesel e suas vantagens. O encontro foi organizado pela Frente Parlamentar da Agropecuária, com presença do ministro do Meio Ambiente, Joaquim Pereira Leite. A intenção é reduzir os prejuízos causadas ao meio ambiente às redes de esgoto.

Elias Vargas disse em sua justificativa sobre os perigos do descarte inconsciente na natureza. Ele defende a destinação correta do óleo residual, que muitas pessoas ainda têm dúvidas sobre como fazer. “Precisamos oferecer o serviço de coleta seletiva na cidade e promover ações para conscientizar a população sobre os danos que este tipo de descarte incorreto nos solos, em pias ou qualquer outro tipo de tubulação pode trazer ao meio ambiente. Destinar adequadamente esse material residual também é extremamente necessário para darmos um novo ciclo de vida ao produto. Em Porto Real, temos uma grande oportunidade, pois temos instalada na cidade a única empresa do estado do Rio de Janeiro que utiliza o óleo vegetal recuperado como matéria prima na produção de biodiesel”, destacou Elias.

Dentre as falas durante a sessão, o vereador Juan Pablo (Cidadania) falou que um litro de óleo pode contaminar 25 mil litros de água potável. Para ele, a coleta seletiva ajudará, além do meio ambiente, o município contribuindo também para a geração de emprego e com melhorias nos repasses do ICMS Ecológico.

Foram convidados para serem coautores na indicação os vereadores Juan Pablo, Fernando Beleza, Cláudio Guimarães e Fábio Maia.

 PROJETOS APRESENTADOS

Dois projetos de lei de Elias Vargas foram aprovados nessa semana. O primeiro trata sobre a criação do “Programa Espera Consciente do Momento Certo para a Gravidez”, que passará pela análise das comissões da câmara. O segundo estabelece a realização de eventos educativos nas escolas municipais para prevenção ao uso de substâncias que determinem dependência física ou psíquica passou pela sua primeira votação, mas volta ao plenário para nova deliberação.