Combustíveis registram mais uma alta nesta semana

0

BARRA MANSA

A partir desta terça-feira, dia 02, gasolina, óleo diesel e gás de cozinha passam a custar mais caro nas refinarias da Petrobras. O litro da gasolina ficou R$ 0,12 mais caro (4,8%) e passou a custar R$ 2,60 para a venda às distribuidoras.O aumento do óleo diesel foi de 5% (ou R$ 0,13 por litro). O preço para as distribuidoras passou a ser de R$ 2,71. Já o gás liquefeito de petróleo (GLP), conhecido como gás de botijão ou gás de cozinha, ficou 5,2% mais caro. Este é o quinto aumento da gasolina neste ano.

O preço informado pela Petrobras se refere ao produto vendido às distribuidoras. Segundo a empresa, até chegar ao consumidor final, o preço do combustível sofre o acréscimo de impostos, o custo para a mistura obrigatória de biocombustíveis e os custos e margens das distribuidoras e dos postos de gasolina.

A Petrobras destaca que seus preços são baseados no valor do produto no mercado internacional e na taxa de câmbio.

De acordo com o frentista de Barra Mansa, Rogério Diniz, o aumento já foi repassado na segunda-feira, dia 1º. “Nossos clientes estão reclamando, mas continuam abastecendo. O movimento é o mesmo, mas as reclamações são constantes. Eles abastecem num dia, e três dias depois, o preço já é outro”, pontua.

O motoboy Victor Kenupp Nisimura, é um desses clientes que tem reclamado. “O preço é um absurdo, ainda mais na minha profissão, fica difícil de trabalhar assim, compromete todo o rendimento familiar. Faço entregas, recebo pelo meu trabalho e consumo mais combustíveis do que a maioria das pessoas, se não colocar a taxa de entrega não consigo ter renda”, pontua.

A auxiliar de enfermagem Lethicia Peres também é uma das que se assustaram com mais um novo aumento. “Fica muito difícil ir trabalhar de carro com consecutivos aumentos, tudo aumenta, menos o salário, que quando aumenta, é insignificante”, cita.

Governo zera impostos federais sobre diesel e gás de cozinha

O presidente da República editou na noite de segunda-feira, dia 1º um decreto e uma medida provisória que zera as alíquotas da contribuição dos Programas de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público (PIS) e da Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (Cofins) incidentes sobre a comercialização e a importação do óleo diesel e do gás liquefeito de petróleo (GLP) de uso residencial. A medida foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União.

Em relação ao diesel, a diminuição terá validade durante os meses de março e abril. Quanto ao GLP, ou gás de cozinha, a medida é permanente. A redução do gás somente se aplica ao GLP destinado ao uso doméstico e embalado em recipientes de até 13 quilos.

Para cumprir a Lei de Responsabilidade Fiscal, como forma de compensação tributária, também foi editada uma medida provisória aumentando a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) das instituições financeiras, alterando as regras de Imposto sobre os Produtos Industrializados (IPI) para a compra de veículos por pessoas com deficiência e encerrando o Regime Especial da Indústria Química (Reiq).

As novas regras do IPI entram em vigor imediatamente. O aumento da CSLL e o final do Reiq entrarão em vigor em 1º de julho.

As medidas de redução do PIS e da Cofins no diesel e no GLP resultarão em uma redução da carga tributária de R$ 3,67 bilhões em 2021 neste setor. Para 2022 e 2023, a diminuição da tributação no gás de cozinha implicará em uma queda de arrecadação de R$ 922,06 milhões e R$ 945,11 milhões, respectivamente.

 

error: Conteúdo protegido !