O valor e o cuidado da amizade e da intimidade

0

Andarão dois juntos, se não estiverem de acordo? Bramirá o leão no bosque, sem que tenha presa? levantará o leãozinho no covil a sua voz, se nada tiver apanhado? Cairá a ave no laço, em terra, se não houver laço para ela? levantar-se-á o laço da terra, sem que tenha apanhado alguma coisa? Tocar-se-á a buzina na cidade, e o povo não estremecerá? Sucederá qualquer mal à cidade, e o Senhor não o terá feito? Certamente o Senhor Deus não fará coisa alguma, sem ter revelado o seu segredo aos seus servos, os profetas. Bramiu o leão, quem não temerá?…

A Porta bate à porta!

0

Toda porta dá acesso a algum ambiente, um lugar, sala, quarto, ou espaço… Nos tempos antigos as cidades eram cercadas por muros e havia portas que as encerravam, restringindo o acesso à cidade e guardando-a em momentos de guerra ou de “visitantes não desejáveis”. Desde a era mais antiga da civilização, vemos o registro de portas em casa e lugares onde se fazia necessário a divisão ou restrição de espaços. Assim vemos que as portas servem para guardar, restringir, dar acesso… Mas também damos às portas uma conotação diferente, quando falamos que conseguimos uma porta de emprego, por exemplo, ou…

O Deus que abençoa é o mesmo que amaldiçoa

0

Havia dois amigos de infância, criados no mesmo bairro. Um, era estudioso, responsável, e pensava no seu futuro. O outro não se importava com seus estudos, não valorizava a ética nem se importava com seu futuro. O primeiro sempre que podia ajudava seu amigo quando algo lhe faltava. O aconselhava a agir bem e procurar ser sociável. Mas este amigo não queria saber do modo de vida do seu amigo, e sempre se metia em encrencas de adolescentes. Passaram-se os anos e o jovem centrado e estudioso prosperou nos seus estudos, fez concurso para estudar Direito e passou, se formou,…

Palavras da Verdade

0

Por que somos assim? De certa forma e de muitas maneiras, nós não entendemos quem somos, nem porque reagimos de tal maneira, ao ponto de estranhamos a nós mesmos. Muitas vezes sabemos que o que fizemos e ainda fazemos; não é legal, não é justo; fere a nossa consciência, todavia, continuamos fazendo. Isto é, reprovamos os nossos próprios atos. Mesmo sabendo que o que pretendemos fazer, vai nos trazer prejuízos morais, familiares, profissionais e sociais. E que aos olhos de Deus seremos reprovados; não deixamos de fazer. Parece que há uma força, uma influência, uma tendência que suplanta a…

1 9 10 11 12 13 18
error: Conteúdo protegido !