Ciep 403 não será fechado por determinação do MPF

0

VOLTA REDONDA

Em junho do ano passado, o A VOZ DA CIDADE  mostrou o desperdício do dinheiro público com o abandono do Ciep-403- Professora Maria de Lourdes Giovanetti, no bairro Açude. Com capacidade para atender mais de mil alunos, a unidade contava na época com apenas 170 matriculados, sendo que desse total somente 100 estavam frequentes. Por essa razão, a ideia do Governo do Estado era encerrar as atividades na escola. Desde então, alunos, professores e a comunidade se reuniram para salvar a unidade. Quinta-feira, dia 14, eles tiveram uma boa notícia. É que o Ministério Público Federal (MPF) expediu recomendação para que a Secretaria Estadual de Educação e a Administração Regional do Médio Paraíba não encerrem as atividades escolares do Ciep e que deixem de realizar qualquer medida que implique fechamento ou restrição de seus eventos.

O espaço, que deveria ser melhor aproveitado pelos jovens da comunidade, estava tomado pelo mato, sujeira e se transformou em verdadeiro depósito de carteiras velhas e novas, ainda embaladas, e pilhas de livros, sem uso, enviados através do Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) armazenadas em salas, uniformes que não foram entregues aos alunos e dezenas de instrumentos musicais, também, embalados e sem uso. O grupo que denunciou o caso hoje comemora a conquista. Ainda de acordo com a recomendação do MPF, os órgãos públicos têm prazo de dez dias para promoverem a abertura do período de matrícula dos módulos do Núcleo de Educação a Jovens e Adultos (NEJA I/2017).

Em dezembro do ano passado, a Secretaria Estadual de Educação indicou o fechamento da unidade escolar, porém voltou atrás após recomendação do MPF. Na ocasião, a Secretaria declarou, em síntese, que as turmas de Ensino Médio já existentes, que passariam ao 2º e 3º anos, seriam mantidas, em atendimento ao compromisso assumido perante a comunidade escolar, mantendo-se assim o Ciep em funcionamento. Com isso, mais de 100 alunos efetivaram matrícula no Ciep e continuaram a cursar os estudos no mesmo bairro em que residem, atendendo, desta forma, parte dos anseios da comunidade escolar. Neste mês, o órgão foi novamente procurado pela Comissão Pró Coep 403, para auxiliá-los acerca da questão das matrículas para o NEJA I, pois o período de matrícula para essa modalidade será encerrado na primeira quinzena deste mês e a escola não teve essa opção liberada no sistema matrícula fácil.

O procurador da República Júlio José Araújo Junior, que assina a recomendação, destacou que, é necessário debater com a comunidade escolar e levar em consideração a realidade local, em que muitos têm dificuldade de deslocamento para outras áreas e encontra nesta escola um espaço para exercer mais facilmente o direito à educação.

Deixe uma resposta

error: Conteúdo protegido !