CCZ inicia a vacinação antirrábica em Resende na quarta-feira

0

RESENDE

O Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) inicia na quarta-feira, dia 7, a Campanha de Vacinação Antirrábica Animal 2021. A primeira etapa da zona urbana acontecerá nos meses de abril e maio, conforme a previsão do cronograma do CCZ. Durante toda a campanha, serão 36 postos de vacinação, entre volantes e fixos, esquematizados até outubro deste ano.

No dia 7, entre 9 e 14 horas, serão beneficiadas as seguintes localidades com posto volante: Náutico; e Comunidade Terra Livre. Nestes locais, a equipe do CCZ realizará busca ativa para vacinar contra a raiva os cães e gatos. No dia 17 de abril, das 9 às 16 horas, serão contemplados os animais dos seguintes locais, em postos fixos: Fazenda da Barra I, Jardim Esperança e Jardim do Sol, na Unidade de Saúde da Família (USF/posto de saúde) Fazenda da Barra I; Fazenda da Barra II, Parque Embaixador e Campo Belo, na USF Fazenda da Barra II; Fazenda da Barra III, na USF Fazenda da Barra III; Morada da Barra e Maria Cândida, na USF Morada da Barra; e Parque Minas Gerais, na USF Parque Minas Gerais.

Nos dias 5 e 15 de maio, também haverá vacinação em outros bairros. Os locais e os horários serão divulgados pela Prefeitura, no período adequado. É importante lembrar que as datas estão sujeitas a alterações, de acordo com o CCZ. No decorrer da campanha, o CCZ será posto fixo para a imunização antirrábica, bastando comparecer à sede da unidade, na Rua Eurídice Paulina de Almeida, nº. 415, no bairro Vicentina II. O CCZ funciona de segunda a sexta-feira, das 8 às 17 horas.

O diretor do CCZ, o médico veterinário Bruno Marins Souza, orientou sobre as restrições para o período de imunização. “A campanha é direcionada para cães e gatos com mais de três meses de idade, gozando plena saúde. Todos os animais devem ser levados aos postos de vacinação, respeitando o prazo de validade da vacina, que é de um ano. O condutor do animal deve ser maior de 18 anos de idade e estar munido com o documento de identidade. Vale lembrar que não estão aptos para a imunização: as fêmeas prenhas ou que estejam amamentando; e os animais que apresentem alguma enfermidade ou em tratamento com medicamentos anti-inflamatórios ou antibióticos”, frisa.

Vale destacar que a vacinação contra a raiva é uma questão de saúde pública de extrema relevância. “A raiva é uma doença infecciosa viral aguda, que acomete mamíferos, inclusive o homem, e caracteriza-se como uma encefalite com letalidade de aproximadamente 100%”, explica o diretor Bruno Marins.

Com o intuito de evitar transtornos nos arredores dos postos, de acordo com recomendações do CCZ, os animais devem ser devidamente conduzidos com guias e coleiras correspondentes aos seus portes. Os animais mais ferozes devem ser levados com focinheiras. Já os gatos devem ser transportados em caixas ou gaiolas, visando coibir fugas e ataques de outros animais. Todas as medidas de segurança sanitária por conta da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) também devem ser respeitadas, como o uso de máscaras e o distanciamento social.

Ainda segundo o CCZ, a população canina do município é estimada em 14 mil cães, enquanto a felina é 2,5 mil. A expectativa é de que sejam vacinados contra a raiva mais de 12 mil cães e 2,4 mil gatos. Em 2020, foram imunizados contra a doença 4.139 animais, devido às mudanças provocadas durante a pandemia do novo coronavírus no cenário nacional, além do aguardo pela liberação das vacinas por parte do Governo do Estado do Rio de Janeiro.