Caio Sampaio é pré-candidato a prefeito de Resende em 2020

0

RESENDE

A eleição de 2016 foi a primeira disputa política do atual vereador Caio Sampaio. Eleito pela Rede com 401 votos, ele pode agora, em 2020, vir para uma disputa maior. Contou que por conta de um clamor originário das pessoas nas ruas, mesclado com uma conversa com 17 partidos na qual seu nome foi apontado como um dos que têm chance de vir para disputa majoritária, se colocou como pré-candidato a prefeito. Caio não se coloca como oposição ao atual governo, mas alguém que deseja se opor a metodologia plantada em Resende há muitos anos na qual diz não haver mais futuro. “Quero apresentar aos cidadãos uma nova via, um novo caminho, uma nova forma de fazer política”, disse nesta quarta-feira, 10,  em visita a sede do A VOZ DA CIDADE.

E isso Caio Sampaio conta que tem feito no Legislativo. Segundo ele, sempre atuando nos bastidores da política desde 1991, até em coordenação de campanhas, foi chamado a participar há três anos da política de maneira direta. Aceitou o desafio, foi eleito e contou que começou então a entender a política de “dentro”. “Tanto a velha política, que eu repudio, como aquela que gostaria que fosse de concreto aplicada. Uma nova história de fazer política, não com a demagogia que se prega. E consegui como vereador mostrar que é possível fazer política sem vínculos de apadrinhamentos, sem cargos comissionados, sem subserviência com os poderes. Tenho hoje minha independência total e autonomia completa. Não fiz troca e consegui resultados. Como? Através de discurso político concreto”, contou.

Essa independência a que se refere resultou em ações voltadas para a população. Como vereador tem mais de 400 indicações aprovadas, 97 projetos de lei protocolados, sendo que 15 já viraram leis sancionadas pela atual administração. “Desde o primeiro dia de mandato adoto o discurso mostrando para as pessoas que quando o prefeito deixa de atender reivindicação de parlamentar, deixa de atender é ao povo”, aponta. Caio citou que isso tudo por conta de duas palavras importantes dentro do Legislativo: legislar e fiscalizar. Segundo ele, exige aquilo que a lei prega e quando a lei é atingida, recorre onde for necessário.

“Em dois orçamentos aprovados fiz emendas impositivas no valor de R$ 500 mil ao todo. Essas emendas o prefeito precisa cumprir obrigatoriedade. E quando não fez, denunciei ao Ministério Público. Não preciso mendigar para fazer as coisas. Lei é lei e todos precisam respeitar e cumprir”, argumentou Caio Sampaio.

O CLAMOR DAS RUAS

E o trabalho feito no Legislativo tem resultado em uma cobrança nas ruas pedindo o posicionamento de Caio Sampaio na próxima eleição. No ano passado, foi candidato a deputado federal e dos 401 votos que teve em 2016, conquistou 4.771 votos. “Fui o segundo mais votado de Resende e vi que o mandato já tinha respaldo da população. Há um consenso atual em todo o Brasil que tem uma incapacidade técnica dos políticos, de maneira geral, e tenho tentado mostrar que podemos fazer diferente em Resende. Principalmente na organização administrativa competente”, apontou Caio que é advogado, procurador da Fazenda, tem mestrado e doutorado em Teologia e cursos de qualificação em políticas públicas.

Prestes a sair da Rede por falta de estruturação do partido em Resende, disse que está conversando com vários partidos e em breve definirá sua futura legenda. Contou que recentemente foi procurado e participou de uma reunião com 17 partidos, onde apontaram que seu nome pode ser um dos escolhidos a disputar o próximo pleito. Questionado se conseguiria ser o escolhido em um cenário político onde sobrenomes históricos ainda circulam pela cidade, Caio Sampaio disse que tem tudo para ser esse novo nome. Tem até um novo sobrenome.

TRIPÉ DO GOVERNO

Caio Sampaio pretende focar em sua pré-candidatura a prefeito em três fatores que considera importante para Resende: infraestrutura, engenharia reversa (arrumar a prefeitura de dentro para fora) e um gestor que conheça a lei. “Tudo na gestão pública é lei, além disso, a prefeitura é desorganizada administrativamente. Não é preciso ir longe. A Guarda Municipal deixou de receber uma verba, por exemplo, por não ter um CNPJ, uma coisa simples. É preciso que as verbas sejam melhores distribuídas. É preciso estruturar a prefeitura, não em número de pessoas, mas em gestão. Temos hoje a prática da política do momento, construir praça, parque, construir. Só que isso não resolve o problema”, afirmou Caio Sampaio.

Sobre a infraestrutura, o pré-candidato a prefeito apontou que é preciso estruturar a cidade para crescer. “Resende não tem infraestrutura. Por exemplo, não dá para colocar uma fábrica na cidade porque a luz acaba. Do jeito que está hoje a cidade não suporta o crescimento e tem tudo para crescer”, citou, frisando que com o tripé em funcionamento, as demais áreas, saúde, educação, segurança pública, por exemplo terão bases fortes para conquistar melhorias.

Deixe uma resposta

error: Conteúdo protegido !