Bloquinho presta homenagem a Claudionor Rosa, em Resende

0

RESENDE

Os foliões de todas as idades podem participar agora a tarde do tradicional Bloquinho, que nesta edição presta homenagem ao historiador Claudionor Rosa. O Bloquinho faz a alegria do público infantil e dos idosos ao desfilar toda terça-feira de Carnaval em Resende. A concentração teve início às 15 horas na Rua do Rosário, próximo da Creche do Lavapés, agora, por volta das 18 horas, é previsto acontecer um Concurso de Fantasia Infantil, na Praça da Matriz. O evento segue até às 20 horas.

O Bloquinho do Lavapés foi criado pela Cia. de Teatro e Improviso Upalalá e por Carlos Maduro, um dos fundadores do Bloco Unidos do Lavapés, as crianças e idosos se divertem na maior tranquilidade o carnaval de rua. “O ‘Bloquinho’ foi criado em 2017 com o propósito de ser mais uma opção para as crianças e idosos que querem brincar o saudoso carnaval de rua”, disse Ângelo Tramezzino um dos membros da Cia de Teatro e Improviso Upalalá, destacando que a cada ano o Bloquinho aumenta o número de foliões. “Mais ou menor 200 foliões, entre crianças e idosos, se divertem no carnaval de rua. O bloquinho sempre faz concentração em frente à creche do bairro Lavapés e depois segue desfilando pelas ruas do bairro em direção a Praça Oliveira Botelho, no Centro Histórico de Resende. Lá, além de brincar o carnaval ainda promovemos concurso de fantasias entre a criançada”, comentou Tramezzino.

Este ano, para ajudar na confecção de adereços e fantasias, os fundadores realizaram o ‘Quintal de Samba’ com a venda de comidas típica para arrecadar fundos. Outra novidade é a homenagem ao historiador Claudionor Rosa, falecido em março de 2019.

Segundo Ângelo, é uma singela homenagem porque além de fundador da Liga de Bloco Carnavalescos de Resende, historiador importante da cidade, ele e foi também grande incentivador da criação de novos blocos para brincar o Carnaval de rua. “De trajetória ímpar, foi grande colaborador para o resgate da memória, das tradições culturais e artísticas de nossa cidade, se tornando ícone de nossa cultura”, disse Ângelo.

O fundador também conta que um samba também vai marcar a homenagem a Claudionor Rosa. O samba ‘Claudionor Rosa em verso e prosa’ foi escrito pelo músico e presidente da Casa de Cultura Macedo Miranda, Thiago Zaidan e o jornalista, Laís Amaral. A letra narra a história de Claudionor, vindo num trem mineiro. O refrão cita “Claudionor Rosa / Força da natureza que o destino nos mandou/ Claudionor em verso e prosa/ É o bloquinho saudando esse valor.”           

error: Conteúdo protegido !