Black Friday lota as lojas do Sul Fluminense nesta sexta-feira

0

SUL FLUMINENSE

Desde o início da madrugada desta sexta-feira, 23, os clientes mais ansiosos pelas promoções da Black Friday movimentam lojas e magazines nas cidades do Sul Fluminense. Nas lojas que mantiveram o expediente a partir das 8h30min, é grande o volume de clientes em busca de produtos com descontos que variam de 30% a 80%, geralmente para o pagamento à vista. Os setores do comércio e de bens e serviços estão envolvidos em mais uma edição do evento global de mega promoções. Em toda a região, lojas e empreendimentos comerciais estão enfeitados e com faixas e cartazes informando a convidativa queda de preços nas mercadorias ou serviços. Uma enxurrada de propaganda, tendo como base, valores aquém do praticado rotineiramente.

A ação acontece sempre na última sexta-feira de novembro e conta com a adesão de empreendimentos físicos e virtuais. De acordo com o E-commerce Brasil, a previsão para este ano é um crescimento de 15% no volume de vendas, número motivado pela expectativa positiva do cenário econômico e pela retomada da confiabilidade dos empresários e consumidores. Porém, embora seja uma ótima oportunidade de garantir alguns produtos por um peço melhor, também é o momento em que o consumidor pode ser enganado de diversas formas. O cuidado deve ser redobrado para que a Black Friday não se revele uma Black ‘Fraude’. A tentação mais comum para compras equivocadas ocorre através dos links gerados para os e-mails do cliente, ou o acesso a falsos sites pela internet.

As compras de eletrodomésticos e eletroeletrônicos são as mais realizadas na Black Friday

Segundo o economista e professor Pedro Salanek, toda compra deveria ser realizada apenas após um planejamento prévio e em ambientes virtuais confiáveis. “O imediatismo seduz o cliente e faz com que ele acabe sendo enganado, tanto com valores quanto com golpes virtuais de roubo de dados. Para que o cliente não fique sujeito a riscos de vírus por links suspeitos, que acabam levando dados pessoais importantes e causando prejuízos financeiros, instalar um bom antivírus no computador também pode ser uma alternativa”, indica.

Seja nas compras online ou nas lojas físicas, desconfie das ofertas atrativas demais, aquém da realidade. Essa é a principal dica para driblar as ‘pegadinhas’ típicas da Black Friday. “O encanto da super promoção muitas vezes leva o cliente a não perceber a diferença absurda dos preços. Além disso, manter o foco somente nos produtos que deseja obter é a principalmente dica. Comprar apenas pelo impulso também faz com que o consumidor acabe adquirindo muitas coisas supérfluas e gastando além do que deveria ou poderia. Não é só porque está barato que a compra realmente valha a pena”, argumenta.

PROCON NAS RUAS

Atento contra os possíveis casos de abuso em desfavor aos clientes, o Programa Municipal de Defesa do Consumidor de Barra Mansa orienta os consumidores a fazer compras utilizando o cartão de crédito. Com esta opção ocorre a chance de cancelamento do pedido de compra junto ao banco ou a operadora de crédito, o que não acontece com os boletos bancários. O consumidor também deve comparar os valores das mercadorias durante a Black Friday evitando pegadinhas. “É muito comum as lojas elevarem os preços das mercadorias antes da Black Friday e no dia do evento oferecer descontos de até 70%. A prática, na verdade, configura uma venda sem qualquer tipo de vantagem econômica para o consumidor. Então, olho vivo para essas situações”, alerta o diretor Felipe Fonseca, citando as vendas online. “Se a loja online oferecer muitas vantagens, desconfie. Procure informações acerca da satisfação de quem já comprou no referido site”, explica.

Os magazines estão repletos de clientes em busca de ofertas da Black Friday

E o dia de mega promoções também é praticado em alguns supermercados e para evitar a compra de produtos vencidos, o que poderia indicar sua queda de preço, o cliente deve observar rótulo e as inscrições sobre data de fabricação e validade. “Além da validade do alimento, o consumidor deve estar antenado para os rótulos com descrição dos ingredientes que compõem o alimento a fim de evitar problemas, como alergias à lactose, ovo, amendoim e glúten”, conclui Felipe Fonseca.

DICAS DE SEGURANÇA

Os consumidores devem prestar bastante atenção na hora da compra, para não gerar problemas, golpes e incômodos futuros. Segundo a advogada Érika Xavier, especialista em Direito do Consumidor, o maior problema nesse período é a publicidade enganosa, inclusive por parte de lojas de renome espalhadas pelo país. “Esse tipo de problema abrange uma infinidade de práticas, desde a falta de transparência nas características dos produtos vendidos até manipulações sobre os preços. Mas, também, há registros de reclamações por falha no funcionamento de sites, que impedem a finalização da compra, e até atrasos consideráveis nas entregas”, explica.

PROCESSO JUDICIAL

Quando o consumidor se sentir lesado ou estranhar alguma prática por parte dos fornecedores, ele deve procurar o Procon de sua cidade ou um advogado. “Quando há intenção de começar um processo judicial, panfletos, prints das telas dos computadores, gravações, mensagens em celular ou emails, testemunhas, podem ser usados como provas futuramente”, informa a advogada. A pesquisa previa de oscilação de preços dos produtos é a principal dica contra as fraudes, revelando se de fato o produto está em promoção. Outra orientação é saber se os produtos de preços mais baixos estão em linha de produção ou já não são mais comercializados pelos fabricantes. Na internet, o cliente deve ficar atento às características de sites e sua credibilidade. “A antecedência é importante porque os fornecedores costumam inflacionar seus valores e reduzir o valor dos produtos e serviços na semana do Black Friday, e conseguem vendê-los no preço normal, sem que o consumidor se atente à artimanha”, indica a especialista.

Deixe um Comentário

error: Conteúdo protegido !