Benchmark, o termômetro para os investimentos

0

Você está trabalhando arduamente, juntando seu rico dinheiro, aos poucos sua carteira de investimentos vai crescendo, mas quando a pergunta é: quanto rendeu no último mês? Não conhece a resposta, ou nem mesmo sabe se o desempenho da carteira é bom, ou ruim. Lamento informar, mas você se encontra em uma situação delicada, com risco de estar trabalhando à toa para conquistar sua reserva. Quando a gente não sabe o caminho a percorrer para qualquer coisa, é natural acabar se perdendo, por isso tão importante quanto guardar dinheiro é cuidar para que ele cresça e te faça conquistar seus objetivos.

Para começar, é preciso ter uma regularidade no acompanhamento das reservas, não basta só aplicar o valor e esquecer. O mercado muda, nosso perfil muda e os investimentos precisam acompanhar toda essa mudança. De três em três meses é necessário que se faça uma revisão da carteira para observar se os produtos de investimentos continuam aderentes às perspectivas de mercado, ou se está na hora de procurar novas opções. Além das mudanças das tendências do mercado, volta e meia surgem produtos mais interessantes com taxa de administração mais barata ou maior remuneração, por isso não dá para abandonar o dinheiro, tem que estar sempre atento a qualquer oportunidade de fazer a reserva crescer com mais eficiência. Como diz um velho ditado, é o olho do dono que engorda o gado.

Quem tem tempo para deixar o dinheiro aplicado, tem um aliado. Quanto mais longo for seu horizonte de investimento, maior o risco que pode correr, seja de mercado, seja renunciando à sua liquidez. Todo risco é o preço de uma rentabilidade maior, se você aceitou pagar por ele, tem que ter sua contraparte, e o melhor jeito de avaliar isso é através de um ‘benchmark‘. Essa palavra diferente se refere a um indicador, é onde o investimento se propôs a chegar. Se a sua carteira está igual ou acima do ‘benchmark‘, sua rentabilidade anda bem, caso contrário é hora de reavaliar as opções. Para ter uma correta avaliação, não basta apenas um mês, mas em um ano já dá para saber se a carteira escolhida anda performando bem ou não. O indicador mais utilizado no Brasil, e o melhor para avaliar a carteira é o CDI, divulgado pelo Banco Central diariamente. Este é uma média de todas as taxas de empréstimo que um banco faz a outro durante o dia, é basicamente o custo mínimo do dinheiro, e o termômetro mais eficiente para saber se sua reserva anda com a saúde em dia ou barata demais.

Ter proximidade no acompanhamento da evolução da reserva é o caminho para transformar uma ‘poupancinha’ em um grande investimento. Não dá para esperar por um milagre que faça seu dinheiro render sozinho sem que seja acompanhado. Busque mensalmente quanto rendeu a carteira como um todo, compare com o CDI e exija um retorno que justifique o risco assumido. Faça o dinheiro trabalhar para você para que um dia possa parar de trabalhar por ele.

Deixe um Comentário

error: Conteúdo protegido !