Animais de estimação merecem atenção especial com as altas temperaturas

0

SUL FLUMINENSE

Com as altas temperaturas é necessário cuidar ainda mais do seu animal de estimação. Pulgas e carrapatos são um problema muito comum na vida de cães e gatos, neste período, a temperatura e umidade favorecem sua proliferação. Até mesmo aqueles pets que convivem pouco com outros animais estão suscetíveis a esses parasitas, que causam desde uma simples coceira até a transmissão de doenças infecciosas graves.

Mesmo que o cão ou gato tenha estado em ambiente fechado a maior parte do tempo, as formas jovens destes parasitas (ovos e larvas) estão em todos os lugares e podem ser trazidas para dentro de nossas casas, seja no sapato ou em objetos. Já num passeio, mesmo que rápido, pulgas jovens, que acabaram de sair de seus casulos, podem pular no animal e começar uma infestação rapidamente. Isto porque, após a alimentação e acasalamento, as fêmeas das pulgas podem depositar até 50 ovos por dia no hospedeiro.

Esses ovos caem no ambiente onde o animal costuma passar a maior parte do tempo e, após maturação, liberam as larvas que se adaptam facilmente em locais como tapetes, caminhas e sofás.

De acordo com a médica-veterinária Gabriela Rosa além da coceira e incômodo por conta da picada das pulgas ou carrapatos, os animais podem sofrer com doenças que colocam em risco sua saúde. “A Dermatite Alérgica à Picada de Ectoparasitas (Dape) é uma doença dermatológica alérgica muito comum em cães e gatos e deve sempre ser considerada como um agravante nos casos de infestações por estes parasitas. Além disso, as pulgas podem transmitir verminoses e bactérias, bem como provocar anemia em filhotes altamente parasitados”, citou.

Carrapatos e as doenças transmitidas

Os carrapatos também são ectoparasitas muito comuns. Um grande problema ao enfrentar infestações por estes parasitas é que eles são muito resistentes no meio ambiente, podendo sobreviver por meses sem se alimentar. A fêmea adulta chega a depositar no ambiente mais de três mil ovos de uma só vez. Dos ovos, eclodem as larvas dos carrapatos, que irão se alimentar no hospedeiro e voltar para o ambiente, evoluindo para uma fase jovem chamada de ninfa, que também procura o hospedeiro para se alimentar e volta para o ambiente para se tornar adulto.

Entre estas idas e vindas entre hospedeiros (cães e, eventualmente, gatos) e o ambiente, a chance de transmissão de doenças infecciosas é aumentada, já que o carrapato pode, durante sua evolução, alimentar-se de vários animais, até mesmo de seres humanos. Em resumo, por causa deste comportamento, os carrapatos são excelentes carreadores de doenças causadas por bactérias e protozoários, transmitindo estes microrganismos muito facilmente entre os cães e seres humanos.

Saúde bucal

Outro problema destacado pela veterinária é que a má higienização da boca pode causar graves problemas de saúde nos pets. Nem sempre os tutores dão a atenção necessária a esse assunto, porém, assim como vacinação correta e controle de pulgas e carrapatos, a saúde da boca e dos dentes também é de extrema importância para o bem-estar e a qualidade de vida dos pets.

Os tutores percebem o mau hálito do animal, mas acabam não dando a devida importância, pois imaginam que é algo comum e aceitável. “O mau hálito (ou halitose) é um sintoma de que a boca do pet não está saudável. Portanto, é muito importante que os tutores estejam atentos a isso, para evitar que problemas mais sérios afetem a saúde do animal”, aponta Gabriela, acrescentando que uma das principais doenças causadas pela falta de cuidado bucal é a doença periodontal, ocasionada pelo acúmulo de placa bacteriana.

O tratamento da patologia consiste em um procedimento chamado de profilaxia dentária, que deve ser realizado pelo médico-veterinário. O procedimento, feito com equipamentos específicos, demanda anestesia geral e uma análise minuciosa dos dentes, às vezes com o auxílio de radiografias para determinar se será necessária sua remoção.

 

 

 

Deixe um Comentário

error: Conteúdo protegido !