12ª Mostra de Artes do CAPD segue para visitação até o dia 23 no Espaço das Artes Zélia Arbex

0

Aberta no dia 21 deste mês, a 12ª Mostra de Artes do Centro de Atendimento à Pessoa com Deficiência (CAPD), da Secretaria de Ação Comunitária de Volta Redonda (Smac), segue para visitação até o dia 23 deste mês no Espaço das Artes Zélia Arbex, no bairro Vila Santa Cecília, e pode ser vista das 9 horas às 18 horas. São mais de 100 obras de arte que foram confeccionadas pelos alunos durante as oficinas de mosaico, pintura em tela, bordado, jornal, cerâmica e marcenaria.

A coordenadora do CAPD, Elizabeth Melo, informou que, 125 pessoas são atendidas, atualmente, pelo órgão. Disse ainda que, essa exposição é a valorização do potencial da pessoa com deficiência. Apesar de terem alguma limitação, segundo Elizabeth, o seu potencial consegue ser traduzido através da arte. Destacou ainda que, as obras expostas nessa edição ano foram inspiradas em artistas como Alfred Gockel, Di Cavalcanti, Romero Britto e Piet Mondrian.

Outro que falou sobre a mostra foi o prefeito Samuca Silva. Ele, que esteve na abertura da exposição, disse que é um orgulho para o Poder Público ver a qualidade dos trabalhos. Relatou ainda que, as obras estão lindas e que todos os envolvidos estão de parabéns.  Falou que se sente orgulhoso de poder participar, mesmo que de forma pequena, para o desenvolvimento desse projeto. Aproveitou o momento também para dizer que seu governo vai fazer tudo o que estiver ao alcance para colaborar com esse trabalho.

Quem também elogiou a exposição e os trabalhos desenvolvidos pelos alunos do CAPD, foi o vice-prefeito de Volta Redonda e secretário Municipal de Ação Comunitária, Maycon Abrantes. Declarou ainda que, é um grande projeto realizado no CAPD. Agradeceu a todos que trabalham para fazer a vida das pessoas com deficiência ser melhor. Faz questão de convidar a população para visitar a exposição porque as obras estão belíssimas.

Um dos mais antigos atendidos no CAPD é Ricardo Guidorene, de 55 anos. Disse que está no projeto há 22 anos e que adora esse trabalho. “Eu gosto de tudo no CAPD, mas a oficina de mosaico é muito legal”, declarou, lembrando que ver seu trabalho exposto é o maior prazer. Também atendida pelo CAPD, Ana Lúcia Arantes, de 46 anos, se diz contente também com a exposição.

Ana Lúcia declarou que gosta de tudo no CAPD, das festas e dos amigos, mas o que mais gosta é do bordado. De acordo com a irmã dela, Maria de Fátima Arantes, o projeto é fundamental para o desenvolvimento da Ana Lúcia. “Em vários casos a pessoa com deficiência vive apenas com a família. Através do CAPD, há a inserção social delas, o que é muito importante”, concluiu.